Helder Barbalho, ministro da Pesca de olho em 2018

Compartilhe nas redes sociais.

No 1º dia do ano, depois de empossada, a presidenta Dilma
Rousseff, empossou o seu ministério. Nele estava de volta após 20 anos um
paraense: Helder Barbalho, ex-prefeito de Ananindeua, segunda maior cidade
paraense em habitantes, e ex-candidato ao governo do Pará na última eleição,
empossado como ministro da Pesca e Aquicultura.
Não há dúvidas que após o resultado do 2º turno, com a
derrota para o então governador Simão Jatene, trabalhou-se o nome de Helder
para compor o novo governo Dilma. Várias especulações cercaram o nome do
ex-prefeito de Ananindeua. Assumiria a Sudam? Eletronorte? A indicação para chefiar
um dos 39 ministérios do governo Dilma parecia distante.
Não pretendo entrar no mérito do conhecimento ou não de
Helder sobre a pasta que comandará. Esse artigo tem outro objetivo: analisar os
rebatimentos políticos de Helder Barbalho na capital federal e suas ações para
2018.
A perda no 2º turno das eleições para o Palácio dos
Despachos, com pequena diferença, depois de liderar toda a campanha e a maioria
das pesquisas eleitorais, foi um duro golpe. 
Muitos afirmam que o ministério foi dado a Helder como prêmio de
consolação. Se foi, esconde o objetivo maior: recolocar o herdeiro político do
senador Jáder Barbalho na disputa pelo governo do Pará em 2018.
É inegável, até mesmo pelos próprios adversários, que Helder
marcou território, criou musculatura política. A disputa eleitoral de 2014
ecoou seu nome pelos quatro cantos do continental estado do Pará. O objetivo
inicial do próprio PMDB paraense era lançar o ex-prefeito candidato ao governo
em 2014 para, ai sim, torná-lo competitivo em 2018. Os peemedebistas chefiados
por Jáder estão no lucro. Quatro anos antes do projeto inicial, Helder já pode
ser considerado o favorito para a próxima disputa estadual, sem a participação
de Simão Jatene.
Todas as previsões relatadas dependerão de como será
conduzido o ministério da Pesca por Helder. Se fizer boa gestão na referida
área, chegando para a próxima disputa com status de ministro bem avaliado,
colocará o herdeiro político de Jáder em boas condições de vitória, ainda mais
se o 2º mandato de Jatene não deslanchar, repetindo o pífio mandato
recém-terminado.

A manobra política nos bastidores que levou Helder Barbalho
a Brasília, o manterá vivo politicamente para novamente concorrer ao Palácio
dos Despachos em 2018 e possivelmente o deixará em situação bem favorável na
disputa. O ano de 2015 começa com 2018 na cola. Os tucanos que se cuidem. 

Be the first to comment

Leave a Reply

Seu e-mail não será publicado.


*