Eleições 2018: pesquisa do Instituto Acertar ao governo do Pará

Compartilhe nas redes sociais.

Como esperado, levando em consideração os registros feitos nos Tribunal Regional Eleitoral (TRE), duas novas pesquisas eleitorais foram realizadas e divulgadas ontem (24) e que levantaram dados referentes às disputas: ao governo do Pará, Senado Federal e Presidência da República. Neste post o blog irá apresentar os dados mensurados pelo Instituto Acertar ao governo do Pará

Instituto Acertar:

O Instituto Acertar foi a campo entre os dias 3 a 8 de fevereiro com pesquisa realizada em 30 municípios paraenses. A margem de erro dos números apresentados é de 3,5% nos 828 questionários, com a padronizada margem de confiabilidade em 95%.

Segundo a pesquisa, na intenção de voto espontânea (sem o estímulo dos nomes) para o cargo de governador na eleição estadual no Pará, em 2018, o atual ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho, lidera com 14,9% das indicações, seguido pelo ex-prefeito de Belém Edmilson Rodrigues, que alcançou 3,1%, seguido pelo senador Paulo Rocha, também com 2,3%. O candidato do governador, o deputado Márcio Miranda, atingiu 1,9%. Ainda foram citados Zequinha Marinho (1,4%) e Úrsula Vidal (1,3%). Os demais nomes citados, juntos, somaram 4,2%. Os indecisos somaram 52,0%, e 16,6% afirmaram que votariam em branco ou anulariam o voto.

Portanto, no perfil “espontâneo”, quando não se apresenta nomes ao entrevistado, a indecisão é grande. Passa de 50% do número de formulários aferidos. De longe, Helder ostenta folgada liderança. Neste quesito (espontâneo) quem se destaca é quem é sempre lembrado, ou seja, quem reúne capital político. Miranda, novamente (esperado) aparece em posição desconfortável.

Na intenção de voto estimulado (cenário 1), com a apresentação dos nomes de possíveis pré-candidatos a governador do Pará, se a eleição fosse hoje, Helder Barbalho obteria 30,3% da preferência dos eleitores, contra 11,6% de Edmilson Rodrigues. Seguidos de Úrsula Vidal (6,6%), Paulo Rocha (6,6%), Zequinha Marinho (6,2%), Márcio Miranda (4,9%) e de Sidney Rosa (3,7%). Os votos brancos e nulos somariam 19,1% e 11,0% encontram-se indecisos.

No cenário 2, com a hipótese da ausência das candidaturas de Edmilson Rodrigues, de Paulo Rocha e de Zequinha Marinho, teríamos o seguinte resultado: Helder Barbalho subiria cerca de 6,6 pontos percentuais, registrando 36,9% dos votos. Úrsula Vidal ganharia aproximadamente 3,7% pontos percentuais e ficaria com 10,3%. Márcio Miranda obteria 8,1% da preferência dos eleitores, contra 5,3% dos que preferem Sidney Rosa. Neste segundo cenário, o percentual de entrevistados que pretendem votar em branco ou nulo 26,0%. E 13,4% mostraram-se indecisos.

Segundo os números do Acertar, no terceiro cenário, considerando agora a ausência de Edmilson Rodrigues, Sidney Rosa e Zequinha Marinho, o resultado mostra que não teríamos variações significativas em relação ao que foi apresentado nos cenários I e II. Neste caso, se a eleição fosse hoje, Helder Barbalho obteria 35,2% da preferência dos eleitores. Seguido de Úrsula Vidal, com 10,1%, de Paulo Rocha, com 8,7%, e de Márcio Miranda, com 8,0%. Os votos brancos e nulos somariam 25,2%, e 12,8% responderam que não sabem em quem votar.

Ainda no perfil estimulado, em um quarto cenário testado, levando em conta a hipótese da ausência de Edmilson Rodrigues, Úrsula Vidal, Sidney Rosa e de Zequinha Marinho, o pré-candidato Helder Barbalho obteria 37,2% da preferência dos eleitores, contra 10,4% dos que preferem Paulo Rocha, 7,3% de Márcio Miranda e 1,8% de Fernando Carneiro. Os dados demonstram, para este cenário, que 29,2% dos eleitores votariam branco/nulo e 14,1% responderam que estão indecisos.

Segundo Turno:

O Instituto Acertar também fez levantamento sobre os possíveis nomes que possam disputar o segundo turno ao Palácio dos Despachos. Três cenários foram montados, com três nomes: Helder Barbalho, Márcio Miranda e Úrsula Vidal.

Cenário 1: Helder Barbalho e Márcio Miranda

Neste confronto, o ministro da Integração atingiria segundo a pesquisa, 46,2% dos votos. Já o presidente da Alepa, Márcio Miranda, ficaria com 13,8%. Dos entrevistados, 29% votariam em branco ou em nulo e 11% não souberam responder.

Cenário 2: Márcio Miranda e Úrsula Vidal

Segundo os dados levantados nos 828 formulários, a disputa seria acirrada. Miranda venceria com 22,1% e Vidal ficaria com 19,8%. Portanto, se o cenário fosse real, a disputa estaria dentro da margem de erro de qualquer levantamento estatístico. No referido cenário, 35,9% votariam em branco/nulo e 22,2% não sabem.

Cenário 3: Helder Barbalho e Úrsula Vidal

Entre os três cenários pesquisados para o segundo turno, este é o mais definido. Helder seria eleito com 45,5% e Úrsula ficaria com 14,7%. Votos em nulo ou em branco atingiriam 28,4% e não souberam responder chegou a 11,5%.

Fonte: Instituto Acertar (com adaptações)

Be the first to comment

Leave a Reply

Seu e-mail não será publicado.


*