Exclusivo: entrevista com Helder Barbalho

Compartilhe nas redes sociais.

Às 14:00 horas desembarcou em Parauapebas o ex-ministro da Integração Nacional e pré-candidato ao governo do Pará, Helder Barbalho (MDB). O referido veio a “capital do minério” por conta da data festiva de 30 anos de emancipação do município e a cerimônia de sorteio de lotes urbanizados pela Secretaria Municipal de Habitação (Sehab).

O ex-ministro ao fim do evento, concedeu entrevista com exclusividade ao blog, de forma rápida por conta da agenda corrida.

Blog: O senhor foi ministro da Integração Nacional, um dos maiores orçamentos do Governo Federal e foi teve um papel importante na conquista de volumosos recursos e investimentos ao estado do Pará. Quais as principais ações que o senhor na condição de ministro trouxe a Parauapebas?

Helder: Primeiro é uma satisfação poder ter tido o privilegio e a oportunidade de colaborar com o meu país, e acima de tudo, ter tido a oportunidade de ter sido ministro do Pará. Como ministro do Pará busquei ajudar todas as regiões, ajudar todos os municípios, e claro essa região sul e sudeste do estado, sempre recebendo uma atenção, e eu pude cumprir com a minha obrigação. Aqui em Parauapebas, viabilizamos R$ 20 milhões em investimentos para a infraestrutura, que permitirão que obras de interligação entre os municípios de Parauapebas e o de Marabá, possam ser viabilizados, inclusive com a pavimentação desta estrada, uma ação prioritária escolhida pelo prefeito Darci em debate com a sociedade local. Além disso eu pude colaborar para a aprovação junto ao Governo Federal, de um projeto importantíssimo, da ordem de mais de 70 milhões de dólares, junto ao Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), que permitirá uma grande intervenção na área de saneamento para o município. Viabilizamos equipamentos para a cidade, colaborando para a abertura de estradas vicinais na zona rural e para a limpeza urbana na cidade e o apoio em momentos muito sofridos, em que fortes chuvas e alagamentos acabaram acontecendo aqui em Parauapebas e nesta região, e nos fizemos presente. Presente olhando no olho, compreendendo as dificuldades da população e trabalhando para minimizar o sofrimento através das ações da Defesa Cívil Nacional.

Blog: Parauapebas está completando hoje três décadas de emancipação, sendo um dos municípios que mais geram divisas ao país e consequentemente ao estado, e sempre foi um dos mais penalizados em relação à investimentos, especialmente do governo estadual. Como o senhor vê essa situação e como mudar isso? De que forma – na prática – pode-se compensar esse desequilíbrio histórico e penoso a população local?

Helder: É fundamental que nós possamos pensar cada região com as suas particularidades, e esta região tem uma oportunidade extraordinária, a partir da riqueza de subsolo, a partir de sua localização estratégica, e faz com que se crie uma expectativa enorme dos grandes projetos, seja o projeto Carajás, seja o S11D, em Canaã dos Carajás. Portanto, faz com que essa região possa trazer uma migração populacional muito forte, sendo fundamental que possamos debater de forma equilibrada a aplicação dos Royalties e de forma ampla com a sociedade para a geração de novas atividades, levando em consideração que a riqueza mineral é algo finito e não pode ser desconsiderado, pensando nas próximas gerações, pensando no futuro desta região, e a presença do Estado é fundamental. O Estado não pode se acomodar no momento em que Parauapebas recebe um recurso diferenciado e não se fazer presente. Se fazer presente com ações, como exemplo a conclusão do hospital que foi necessário a prefeitura fazer a intervenção porque o Estado não fez, que permite não só atender a saúde pública do município, e sim de toda esta região; viabilizando iniciativas de segurança pública com a presença efetiva do Estado, promovendo a proteção para as pessoas; garantindo a participação efetiva de universidades que possam gerar oportunidades e ensinos técnicos para a formação da mão-de-obra, para invertermos à lógica de trazer gente de fora para ocupar postos estratégicos, enquanto que que a mão-de-obra local fica apenas no formato braçal. Portanto, para isso, precisa-se de investimentos em educação. Portanto, a minha avaliação é que nós possamos pensar o Pará de maneira absolutamente distinta em cada região com os seus desenvolvimentos, com as suas oportunidades, e com soluções efetivas para cada região.

Blog: Parauapebas sofre como os demais municípios paraenses com a violência descontrolada. Um dos pontos principais em nossa cidade é a falta de efetivo da Polícia Militar, e pouca infraestrutura dada aos agentes de segurança pública. Que medida emergencial poderia ser tomada para amenizar esse cenário cada vez mais preocupante?

Helder: Investimentos… Investimentos em segurança pública, investimento em tecnologia, investimento na prevenção a partir de iniciativas que envolvam a educação, cultura, lazer, para que a nossa juventude que está se perdendo no mundo das drogas e no mundo da violência, possam ter oportunidades e na ação imediata, ostensiva, nós devemos garantir a presença da Polícia Militar. Para garantir presença de Polícia Militar, é tirar o policial que está na área administrativa e botar ele na rua; é garantir com que possam ampliar os investimentos em cursos e formação de policiais; é necessário que nós possamos garantir para estes policiais uma boa remuneração e não apenas só a remuneração, mas ter o olhar atento para que ele possa ter a devida qualificação e preparo; garantir a retaguarda para as suas famílias e principalmente… Quando se identificam policiais morando em áreas de risco, o que acaba por gerar uma insegurança enorme. Estamos vendo… Uma quantidade cada vez maior de policias perdendo as suas vidas e acho que neste momento em face a grave a situação que nós estamos, é determinante que o Governo do Estado possa aceitar a ajuda do Governo Federal, a Força Nacional vim para o Pará, debater inclusive, face os nossos números, a possibilidade de intervenção na área de segurança, porque a população não aguenta mais viver sobressaltada, com tamanha violência imperando nos grandes centros, seja nas cidades médias ou pequenas, como também na área rural.

Blog: Para finalizar, deixe uma mensagem para os mais de 200 mil parauapebenses em relação a festiva data e o futuro próximo

Helder: Desejar que essa cidade continue a crescer e se desenvolver. Crescer e se desenvolver graças ao trabalho de homens e mulheres que nasceram ou aqui escolheram esse pedaço de chão do Brasil, do Pará, para crescer e gerar oportunidades. Oportunidades que colaboram com o Brasil, com o Pará, que ambos precisam ter um olhar muito atento para que os próximos trinta anos, para o futuro de Parauapebas, para que a cidade possa prosseguir no rumo do desenvolvimento, gerando emprego, gerando oportunidades para a população.

Be the first to comment

Leave a Reply

Seu e-mail não será publicado.