Parauapebas: busca-se um palanque para Márcio Miranda

Compartilhe nas redes sociais.

Parauapebas – segundo dados atualizados pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) – possui 156.301 eleitores; o que torna a “capital do minério” o quinto maior colégio eleitoral do Pará. Portanto, um reduto importante e estratégico a qualquer disputa eleitoral no campo majoritário. Parauapebas é o segundo maior município das regiões sul e sudeste do Pará, em número eleitores. Fica atrás de Marabá, com uma diferença de menos de oito mil títulos eleitorais.

Na disputa eleitoral de 2014; as regiões sul, sudeste e oeste do Pará deram a Helder Barbalho a vitória nas urnas contra o atual governador Simão Jatene, nos dois turnos disputados. No segundo turno, o tucano diminuiu a diferença nas referidas regiões e ampliou na Região Metropolitana de Belém (RMB – com 60% do quantitativo total de eleitores), além do nordeste paraense. Resultado foi a virada e a continuidade da dinastia tucana (que no fim do ano corrente completará duas décadas, com 16 anos ininterruptos) e, de quebra, Jatene tornou-se o único político paraense a ocupar por três vezes o Palácio dos Despachos.

Conforme o que o blog vem afirmando, Helder Barbalho deverá ganhar novamente nas regiões sul, sudeste e oeste do Pará. E – assim como em 2014 – voltará a perder na RMB e no nordeste paraense. O que os estrategistas de ambas as principais candidaturas ao governo do Pará – na constituída bipolaridade entre Helder Barbalho e Márcio Miranda – tentarão, cada um ao seu modo, será a diminuição ao máximo a rejeição que cada candidato carrega (muito mais para o lado do ex-ministro – ligado diretamente ao seu sobrenome – e que deverá ser deixado de lado na campanha, assim como ocorreu em 2014); e pelo lado de Miranda, o ainda desconhecimento de seu nome nos quatro cantos do Pará, será o maior desafio; sem falar de ser o representante de um grupo político desgastado e com um governo mal avaliado pela maioria da população.

O caso de Parauapebas

Especificamente, no caso de Parauapebas, a questão ainda está por se definir. O prazo para que todas as “cartas” estejam à mesa é o próximo dia 05, quando se encerrará o período de convenções partidárias. Até lá, ainda cabem acordos e negociações. A situação em termos de acordos na “Capital do Minério” ao candidato escolhido por Jatene, atualmente enfrenta incertezas e problemas. Na atual conjuntura, Márcio Miranda não teria palanque no quinto maior colégio eleitoral paraense; o que poderia agravar ainda mais uma possível derrota, com uma diferença maior em relação ao candidato do MDB, nas zonas 75ª e 106ª.

Isso ocorreu justamente porque o PSD rachou entre os dois principais candidatos ao Palácio dos Despachos. Em sua convenção partidária optou por Helder Barbalho. O que retira de Miranda um bom espaço político na “Capital do Minério”. Como alternativa, o DEM, partido do referido pré-candidato ao governo do Pará, poderá colocar em prática um plano; uma alternativa político-eleitoral, para manter acesa a chama de Miranda em Parauapebas. Neste caso, lançar Marcelo Catalão para disputar uma vaga na Alepa. O referido empresário tem importante trânsito político na cidade e considerável capital eleitoral. Na prática, é um ótimo cabo-eleitoral, além de manter um palanque em Parauapebas ao presidente da Alepa, o que, no jogo eleitoral, seria de fundamental importância.

PSDB de Parauapebas

Informações recebidas pelo blog no início desta tarde (26), é que os dirigentes tucanos (recém empossados – anunciado em primeira mão no blog) estarão reunidos hoje à noite na casa do novo presidente municipal da referida legenda, Roberto Santiago; para definir se o partido lançará candidatura ao Palácio Cabanagem. Entre os nomes que poderão ser lançados estão: Pastor Wesley, Jader Menezes; as professoras Juliana Santos e Neide Cornélio; além do vereador Zacarias Marques. Se o PSDB lançar, a decisão está muito mais ligada a criação de mais uma base eleitoral a Márcio Miranda. Até o próximo dia 05, ainda ocorrerão muitos desdobramentos, com direito a alguns “balões de ensaios”.

3 Comentários

  1. Caro Branco,

    posso até está enganado! Mas, mesmo sendo o quinto colégio em número de eleitores, Parauapebas figurou como o quarto em número de votantes! Não posso dizer-lhe com certeza se nos “válidos” ou se no “comparecidos” (i.e.: excluindo-se as “abstençoes”)

    Leo Mendes Filho

    • Saudações, Léo.

      Primeiramente, quero lhe agradecer pelo comentário e interação com o blog. Em relação a sua obervação em relação ao número de eleitores, fiz o levantamento no TSE, com a atualização mais recente, neste caso, o mês de junho. Lá consta o número que divulguei. Não entrei no mérito em relação ao número de títulos e quem está apto a se dirigir a urna, porém agradeço a sua contribuição, pois concordo que houve um decréscimo. No ranking entre os maiores colégios eleitorais, creio que Parauapebas possa se manter na quinta (mesmo com essa redução), pois está colada em Marabá, mas abre uma diferença na frente do município seguinte, conforme os números do TSE.
      Grande abraço, e obrigado por seu comentário.

  2. Gostaria de contribuir com o ótimo texto, que sempre tem alto nível de qualidade, nele foi informado que o PSDB está a 16 anos ininterruptos no governo do Estado, na verdade ao fim do corrente ano seram completado 8. Este feito de 16 anos ininterruptos já foi realidade, mas no período de 1995 a 2006(nas gestões do Dr Almir Gabriel e do então governador Jatene).

Leave a Reply

Seu e-mail não será publicado.