A cortina de fumaça

5
80

Significado do termo “cortina de fumaça” é sempre usado em diversos casos, dentre eles na política. O termo nasceu da nuvem espessa de fumaça produzida pelas chaminés dos navios de guerra, ou feita artificialmente com produtos químicos, cujo propósito é encobrir a visão dos oponentes para os despistar, enganar. E desta forma o governo do presidente Jair Bolsonaro está sabendo usar bem, na prática, o significado do termo “cortina de fumaça”. Claramente alguns componentes do primeiro escalão, ocupantes de Ministérios estão exercendo bem a função para o qual foram designados.

O exemplo mais reconhecido é o de Damares Alves, a pastora que assumiu o recém criado Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos. Antes mesmo de assumir, a citada já havia se envolvido em diversas polêmicas. E continuou a criá-las, já empossada no governo. Estranhamente as polêmicas dela e de outros como no caso de Ernesto Araújo, o novo Chanceler brasileiro, que emitiu diversos comentários desastrosos, são concomitantes ao descompasso que o governo vive, além da clara falta de rumo.

O próprio presidente cria as suas próprias e oportunas cortinas de fumaça. Primeiro por não descer do palanque, ou seja, mantém postura de candidato e não de alguém que venceu a eleição e hoje governa para todos os brasileiros, independente de ter tido ou não apoio. Segundo é que o próprio mandatário produz narrativas que não passam de retóricas e que de nada mudarão – de fato – a vida das pessoas.

Menos dialética em relação ao PT, ao socialismo, o inimigo oculto, ou o que quer que seja; e mais ações que visem melhorar o ritmo da economia e consequentemente geração de emprego e renda. A cortina de fumaça precisa dar lugar ao que foi prometido na campanha. Fora isso, o resto é narrativa sem futuro.

5 COMENTÁRIOS

  1. É uma tragédia anunciada.
    Recentemente observei vários comentários e críticas em relação aos poucos dias da gestão Bolsonaro,é uma calamidade pública.ñ tem outras palavras para nomear os acontecimentos que premeiam o início deste governo federal.É um dilema ficar sendo “alvo”nesses primeiros dias do governo Bolsonaro.
    Eu fico pensando como de fato é ser um presidente da República com esse contexto.
    Ñ vou aqui fazer uma trajetória como o jair Bolsonaro chegou nessa posição privilegiada de ser um presidente da República,é emblemático as “trajetórias” de como nós brasileiros temos que encarar os fatos e as mudanças que nós produzimos para eleger uma “trupe” de Dep.Federais.Dep.Estaduais.Senadores e presidente da República que manipularam as redes sociais é a estratégia foi pra o ganhar as eleições d Brasil + ñ para governar o país.
    É incrível e ao mesmo tempo inédito apontar o futuro das nossas escolhas,sendo elas acertivas ou ñ.
    Em outros segmentos da sociedade brasileira infelizmente não posso acrescentar tais mudanças + é interessante notar como de fato é imprescindível fazer uma análise reflexiva sobre a conjuntura política nacional e veja que ainda não chegamos aos 100 dias do governo Bolsonaro…aguardo ansioso os próximos meses da representatividade deste governo Bolsonaro.

    • Além dessa narrativa desconstruida d governo Bolsonaro eu ñ vejo manifestações pró-Bozo.
      Na minha opinião a campanha eleitoral pra Presidente da República foi de um ineditismo que ainda é muito cedo para se fazer uma análise-crítica.concordo plenamente nas palavras deste autor .
      Nesses últimos dias tive uma tarefa árdua de pesquisar minuciosamente a polarização gerada pelas notícias veiculadas pela mídia brasileira sobre o prematuro governo Bolsonaro. eu ñ vejo uma mudança de conduta ao comparar o ex dep federal com á presidência da República do Brasil.
      Criou-se uma atmosfera de mobilização nacional para que haja mudanças profundas n nossa sociedade brasileira q ñ foi concebida pelos “homens do presidente “.
      É muito cedo pra fazer avaliação das escolhas dos brasileiros…entretanto o início deste governo Bolsonaro foi o pior q Eu ja vi como cidadão brasileiro.

Deixe uma resposta