Amazônia e a perpetuação do estereótipo “selvagem”

Compartilhe nas redes sociais.

Além de ministrar a disciplina de Geografia, por formação em
nível de especialização, sou professor de Estudos Amazônicos, tendo como maior
desafio desmistificar o que se pensa ou se propaga em relação à região.
Historicamente a Amazônia sempre foi vista por diversos olhares. Desde os mais
lúdicos, fantasiosos, até os mais realistas, positivamente ou negativamente.
O meu papel em sala de aula é justamente desmistificar o que
se pensa em relação ao cotidiano da região, que mesmo em pleno século XXI,
muitos ainda acreditam que estamos aqui em meio ao Brasil colonial, longe do
progresso ou de qualquer rascunho de modernidade, como se fossemos outra
civilização que desembarcou no século corrente sem lastro na passagem do tempo.
A ideia que aqui se anda em meio a jacarés, cobras e outros animais é,
infelizmente, uma realidade.
Mas toda essa vertente é alimentada por vários veículos de
comunicação, especialmente os do eixo sul-sudeste, que ainda “vendem” a região
amazônica como um capítulo a parte do gênese, uma parte do Brasil que ainda
reúne o “selvagem” e o metafísico. Exemplo disso são as diversas reportagens,
matérias que são realizadas aqui e que fomentam o estereótipo que já foi aqui
relatado. Na maioria das matérias que são produzidas em território nortista,
focam exclusivamente no natural, na floresta, no estilo de vida ribeirinha. Não
mostram (ou quando o fazem é de maneira superficial) que a Amazônia é a
floresta mais urbanizada no mundo. Fora da supremacia verde, temos grandes
metrópoles como Belém e Manaus e dezenas de cidades de médio porte. Segundo
dados do IBGE, a região conta hoje com uma população de 30 milhões de pessoas. Portanto,
já passou da hora que quebrar a desmitificação criada em relação à Amazônia.
 Infelizmente, mais um
exemplo negativo foi dado na última sexta-feira (29) – e que continua
reforçando o que se pensa e acha sobre o norte do Brasil – pelo programa Globo
Repórter, da Rede Globo. Na ocasião, a emissora fez homenagem aos 400 anos de
Belém, a capital do Pará. A questão é que a referida metrópole completou o seu
quarto centenário em janeiro e não na virada de abril para maio. Por que só
agora, meses depois foi mostrado? Belém por sua história e importância para o
processo de colonização da região, não merecia que os seus 400 anos fossem
mostrados ao Brasil?
Além desse questionamento, algo que revoltou e que foi muito
propagado nas redes sociais foi que o programa sobre Belém só seria mostrado
para o estado do Pará. O resto do Brasil assistiria especial sobre Abu Dhabi,
capital dos Emirados Árabes Unidos, no Oriente Médio. Por que tal postura? Por
que não valorizar, mostrar para todo o Brasil a região amazônica? Até quando
continuaremos a propagar uma Amazônia que não existe, é fictícia, e continua sustentada
por distorções da realidade?

Por isso, a música “Belém, Pará, Brasil” é o mais fiel
retrato da região. “… Por que ninguém nos leva a sério, só o nosso minério?”
até quando?

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta