A FAP 2015 escancarou e antecipou a disputa política-eleitoral em Parauapebas

Compartilhe nas redes sociais.

A FAP (Feira de Agronegócios de Parauapebas) neste ano
escancarou publicamente as disputas pelo poder político em Parauapebas em ano
pré-eleitoral. O presidente do Sinproduz (Sindicato dos Produtores Rurais de
Parauapebas), Marcelo Catalão, não esconde a sua pretensão de concorrer no
próximo ano ao Palácio do Morro dos Ventos e isso culminou no que foi o
referido evento em 2015.
Diferentemente de edições anteriores, neste ano, a FAP
deixou de receber qualquer apoio financeiro ou logístico da prefeitura. Isso
refletiu diretamente na organização e no nível das apresentações nos nove dias
de feira. Em 20 anos é a primeira vez que isso acontece. O descontentamento foi
geral, quase unânime, quando se compara com os anos anteriores, inclusive com considerável redução do público que frequentou dos diversos ambientes da feira.
Claramente o prefeito Valmir barrou qualquer parceria por
conta da disputa política. O alcaide municipal não poderia fornecer artilharia
a um futuro e temido adversário político. O objetivo do prefeito era tornar o
evento um desastre ou, pelo menos, inferior aos anos anteriores, como de fato –
na prática – ocorreu. O fiasco da FAP se reflete na avaliação de Marcelo
Catalão, pelo menos, na teoria.
Catalão por sua vez, aproveitou o clímax do evento (show do
cantor Leonardo) para interromper a apresentação e fazer um duro discurso
político contra o prefeito Valmir Mariano. Reclamou e protestou contra a falta
de apoio da prefeitura ao evento e a péssima gestão municipal. Claramente,
Catalão se apresentou com pré-candidato, e aproveitou o evento para fazer
política, o que poderá lhe causar problemas, caso seja denunciado por campanha
eleitoral extemporânea.

Pelo visto, o maior evento da cidade de Parauapebas, de
grande importância econômica, ainda mais em ano de crise, poderia ser um alento
para as enormes dificuldades que a cidade está passando, mas sucumbiu as disputas
pré-eleitorais. O que não deveria acontecer. A politicagem está afundando
Parauapebas. Pobre cidade rica.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta