Governo Valmir a cada dia mais insustentável

Compartilhe nas redes sociais.

Ontem mais uma operação de combate a corrupção desembarcou
em Parauapebas, Canaã dos Carajás e Marabá, divididos em 12 equipes que
percorreram os municípios citados, cumprindo mandatos de busca, apreensão e
prisão de pessoas que estão sendo investigadas por denúncias de corrupção. As
investigações centraram na Secretaria Municipal de Educação de Parauapebas, na
gestão passada e na atual, ambas no governo Valmir.
Deixo de lado os relatos do processo, especialmente no que
se refere as prisões, acusações, depoimentos e os desdobramentos que já foram
exaustivamente publicadas na mídia local. Prefiro analisar o processo em
relação as consequências de mais uma ação investigativa em relação ao governo
Valmir da “Integral”, como o prefeito é mais conhecido.
Tornou-se rotina denúncias de corrupção contra o atual
governo municipal, em vários órgãos e secretarias, pairam desconfianças e
pressões de todas as ordens. Parece que todos são suspeitos de promoverem atos
ilícitos. Claro que isso não procede e devemos separar os bons profissionais
dos que apenas querem fazer prevalecer os seus interesses pessoais. Mas as
diversas operações, quase mensais, tornam o governo do prefeito Valmir Mariano
insustentável.
Já se percebia que desde o início do 2º semestre que a
máquina pública municipal estava em “ponto morto”, quase parada, em contundente
inércia administrativa. As operações da PF e do MPE só aprofundam essa crise
administrativa do governo Valmir. O tornam mais inoperante e agonizante, a
espera de outras medidas. A mais aguda delas seria o afastamento ou a própria
renúncia do prefeito, o que poderia tornar a gestão municipal um caos e
ocasionaria uma erupção política na cidade, de consequência ainda imensurável.

Conforme escrevi diversas vezes sobre a situação política de
Parauapebas, parece que o fundo do poço não é o limite e a crise se tornou
intermitente, sem prazo ou sinalização que possa ter um fim. Afirmei em outra reflexão que politicamente a cidade de Parauapebas morreu em 2015. Câmara de Vereadores e prefeitura dominados por uma inércia que parece durar ainda por vários meses. A manutenção do
governo Valmir parece a cada dia ser cada vez mais insustentável, a espera de
um fim que pode chegar a qualquer momento, ou não?

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta