Helder Barbalho já iniciou a disputa ao Palácio dos Despachos em 2018

Compartilhe nas redes sociais.

O ex-prefeito de Ananindeua, atual ministro da Pesca e
Aquicultura do governo Dilma, Helder Barbalho (PMDB) vem aos poucos, de forma
progressiva, via agenda ministerial, pavimentando a sua pretensão política de
ser governador do Estado do Pará, a exemplo de seu pai, o senador Jáder
Barbalho, que chefiou o executivo paraense por duas oportunidades. O atual
ministro de Dilma venceu o governador Simão Jatene no 1º turno e perdeu no 2º
turno, mas se cacifou para 2018.

Não há nem necessidade de pesquisar no Diário Oficial da União as ações de
Helder, as redes sociais do ministro fazem o papel de divulgador de suas
andanças pelo país, de forma recorrente, pelo Pará. Ninguém poderá acusá-lo de
promover campanha eleitoral antecipada. Primeiro porque, o período não permite
tal acusação e segundo, Helder cumpre agenda de seu ministério com ações
ligadas diretamente as suas atribuições ministeriais, ou seja, se justificam as
ações de sua presença em dezenas de municípios.
Agenda do ministro paraense está preparada para que ele
esteja nos fins de semana em algum município em solo paraense com vocação
pesqueira ou, pelo menos, que esteja indiretamente ligado as atribuições de sua
pasta, para que se promova alguma ação, geralmente de parceria com a prefeitura
local, ou simplesmente, ações de reconhecimento e legalização de atividades de
responsabilidade de seu ministério.
Helder sabe que a pasta que chefia tem orçamento minguado,
um dos menores do governo Dilma, e que, com o ajuste fiscal, teve que aceitar a
redução orçamentária. O que sobrou é quase de custeio, sobrando quase nada para
investimentos. Ou seja, sem parceria com os governos estaduais e prefeituras,
quase nada se pode fazer.
Helder Barbalho sabe que o ministério da Pesca e Aquicultura
lhe foi oferecido através de acordos políticos após o fim do processo eleitoral
e a construção de um novo governo e sua base no Congresso Nacional. O ministro
sabe também que o cargo lhe permite pavimentar a sua candidatura ao governo do
Estado do Pará em 2018, agora com maiores chances do que teve em 2014, pois
chegará a disputa muito mais conhecido e sem disputar com o maior expoente do
ninho tucano paraense: Simão Jatene.

As disputas municipais do próximo ano deverão nortear a
composição político-eleitoral de 2018 e Helder deverá (se chegar até lá ainda como
ministro) ser o favorito a quebrar a dinastia tucana no Pará, chefiando o
Executivo pela primeira vez. Pelo que se percebe a corrida pelo Palácio dos
Despachos já começou, pelo menos para Helder Barbalho. Enquanto no ninho tucano
ainda não se sabe que poderá suceder Simão Jatene. Pelo visto, essa definição do
PSDB dependerá do resultado das urnas no próximo ano. Vamos aguardar.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta