Impeachment é começo e não fim da crise

Compartilhe nas redes sociais.

A aprovação do impeachment da presidente Dilma Rousseff é o
começo e não o fim da solução da crise política e econômica na qual o país está
mergulhado, disse na manhã desta terça-feira (26) o brasilianista Albert
Fishlow, professor emérito de Relações Internacionais da Universidade de
Columbia, em Nova York. Em sua opinião, o Brasil está no meio de uma “década
perdida” e chegará a 2020 com o mesmo patamar de renda que possuía em 2010.
Fishlow previu que os problemas atuais só serão superados em
um prazo de três a quatro anos e depois da adoção de reformas estruturais que
elevem o nível de poupança do país e mudem o seu sistema político. Em sua
opinião, o Brasil precisa na área política algo semelhante ao que o Plano Real
foi no terreno econômico. No curto prazo, a melhor saída para a crise é a
realização de novas eleições e a formação de um governo que tenha apoio de
todos os partidos, em torno de uma liderança como Marina Silva.
“O Brasil ainda terá grandes problemas políticos. O
impeachment não resolve a situação”, afirmou Fishlow. O professor ressaltou que
o PT e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva irão para a oposição, o que
deve dificultar a obtenção de consenso político. “Quem acha que o Brasil
resolveu tudo está muito enganado.”
Na base das dificuldades econômicas está a baixa poupança do
país, que gira os 18% do PIB e reduz a capacidade de investimento. O aumento
desse patamar implica a redução do consumo, em uma equação de difícil solução
do ponto de vista político. Outro desafio é enfrentar o elevado nível de
endividamento das mais de 35 milhões de pessoas que expandiram o seu consumo em
anos recentes, observou.

Fonte: www.diariodocentrodomundo.com.br

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta