Prefeito Valmir controla o PT?!

Compartilhe nas redes sociais.

Não é de hoje que a postura do PT de Parauapebas é
questionada. Desde quando deixou o poder, por conta da derrota nas urnas em
2012, o partido é cobrado em relação a algumas decisões e posturas. A lógica
seria que o partido se posicionasse na oposição ao governo e construísse
alternativas para retornar ao poder. Muitos afirmam que a referida legenda não
assume ou não faz efetiva oposição ao governo do prefeito Valmir Mariano. Na
Câmara Municipal são quatro cadeiras, ocupadas por Miquinha, Eusébio, Eliene e
Joelma. Quase 1/3 do total de assentos.
Bastaria analisar as sessões que são realizadas todas as
terças-feiras na Câmara de Vereadores, em breve pesquisa sobre as votações,
percebe-se que os vereadores citados, exceto Eliene Soares, votam sempre
favorável aos assuntos ou projetos de interesse do Palácio do Morro dos Ventos.
Os citados não assumem que estão na base do prefeito Valmir, mas suas
respectivas defesas do contrário são facilmente derrubada e questionável, haja
vista, a postura e ações.
Só para citar um exemplo, a Secretaria de Cultura (pela oitava
vez teve a sua gestão interrompida para atender a interesses políticos, famosa “moeda
de troca”) foi entregue ao controle da vereadora petista Joelma Leite. Isso não
confirma que a referida parlamentar passa a ser governo? Ou o prefeito resolveu
distribuir espaços em sua gestão para a oposição? Ou a adversários políticos?
Claro que não.
O fato mais recente é que escancara a postura do PT
parauapebense é a presença do prefeito Valmir Mariano ao já tradicional evento
de prestação de contas de mandato do vereador Miquinha, em Palmares Sul, seu
reduto eleitoral, no último dia 27. A estada do alcaide nunca havia ocorrido no referido evento
que já soma sete edições. Valmir não só se fez presente, como compôs a mesa
(tomada por petistas, deputados federal e estadual, além de representantes das
direções estadual e municipal) discursando a todos os presentes.
Esse fato pode ocasionar diversas análises e processos. Os
defensores do Palácio do Morro dos Ventos podem afirmar que se trata de uma
ação republicana, um reconhecimento por parte do prefeito de uma importante
atitude de transparência de recursos públicos, isso independente de ideologia
ou agremiação partidária. Outros, da oposição, irão enxergar que isso não passa
de uma estratégia política do prefeito de demonstração de força, aparecer, se
fazer presente em eventos dessa natureza, mostrar que está se movimentando,
acompanhando os acontecimentos políticos da cidade. Em ano de disputa
eleitoral, essas aparições são normais, fazem parte do processo.
Fui informado por uma fonte que a estratégia dos
articuladores políticos do Palácio do Morro dos Ventos é de dividir o PT. Para
isso cargos e espaços são oferecidos. Alguns aceitam, outros resistem. De certo
mesmo, independente de lado político ou grupo de interesse, a presença de
Valmir em um encontro petista escancara alguma relação próxima entre a legenda e
o atual mandatário municipal. A confirmação de algo que já se assumia nos
bastidores, mas sem a confirmação real. 

Nesta condição, no atual cenário, como
o ex-prefeito Darci conseguirá se manter no PT? Impossível. Valmir e seus
auxiliares diretos mexem bem as peças do tabuleiro político, buscando ter o PT
sob controle, ou promovendo o xeque-mate político-eleitoral. Façam as suas apostas.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta