PSD SE REÚNE, MAS NÃO SE UNE

Compartilhe nas redes sociais.

Corvus oculum corvi non eruit… essa expressão, em sua tradução literal, significa “um corvo não arranca o olho de outro corvo”; normalmente refere-se ao comportamento de pessoas que, embora se detestem, agem de maneira aparentemente solidária. Ato comum especialmente entre políticos.

Este final de semana ocorrerá em Parauapebas a convenção municipal do Partido Social Democrático, o PSD. Curiosamente, pelo jeito, em vez de ser um evento com potencial de disparar de vez as campanhas às pré-candidaturas ao Executivo municipal, afinal neste partido encontram-se grandes nomes viáveis ao Palácio do Morro dos Ventos, como Gesmar Costa, Joelma Leite e o ex-prefeito Valmir Mariano, o que provavelmente se verá é justamente o contrário: o esvaziamento do mesmo. Valmir e sua já conhecida falta de tato político, pela primeira vez em sabe-se lá quantos anos à frente do partido, convoca uma reunião e quando o faz, já é pra uma convenção. Demonstra que seu jeito é esse, sem diálogo, sem entendimento. A verdade é que Valmir jamais teve parceiros; Valmir tem funcionários.

O vereador Horácio Martins já está de alma no PDT, onde sua esposa é a atual Presidente; só não está de corpo, pois apesar de ter sido o único dos mandatários do Partido a apoiar Valmir em 2018,teve seu único pedido recusado, o de ser expulso do partido pra poder organizar o PDT; por isso, D. Orlene, sua esposa, é a atual presidente do PDT. Nada indica que Joelma faça qualquer grande esforço pra se manter no partido, já que vê com dificuldade a manutenção de sua campanha à reeleição em um partido que nunca se reúne, não se organiza e tem dono. Gesmar é certo que saia do partido, pois 2018 selou de vez a relação entre ele e Valmir. Então, o PSD é um partido grande, com tempo de televisão, representação nas três esferas de poder, mas que mesmo assim, corre o risco de sofrer uma debandada de grandes nomes, por pura falta de habilidade de seu Presidente.

Até onde foi possível apurar, Valmir (cito seu nome no sentido da liderança; não sei se foi ele mesmo quem fez) não chamou várias pessoas para participar dessa construção e inclui-se aí o ex-Deputado Gesmar Costa e diversas lideranças legalmente constituídas no Diretório Municipal. Vejam, eu chamei a atenção para o “legalmente constituídas” porque de acordo com o Sistema de Gerenciamento de Informações Partidárias – SGIP do Tribunal Superior Eleitoral, o Diretório encontra-se ativo e não está vencido, pois tem período de validade INDETERMINADO.

De acordo com as certidões expedidas pelo sistema do TSE, o vice-presidente ainda é Gesmar Costa, a Secretária Geral do Partido ainda é Leudicy Leão – que aliás, é a quem cabe a função ESTATUTÁRIA de coordenar a Convenção – e eu ainda sou o Delegado do Partido, conforme a minha Certidão Partidária atesta. Certidão expedida hoje, dia 16 de maio de 2019, enquanto escrevia este artigo.

Se argumentar que o Diretório não vale mais por tempo ou inatividade, aí a coisa fica ainda mais complicada, haja vista que de acordo com o princípio da isonomia, o que vale pra um, vale pra todos. Ou todos os membros estão impedidos ou todos os membros estão legais; e isso vale inclusive para a Presidência, claro, podendo-se inclusive contestar a capacidade e autonomia do mesmo em convocar convenções e eleições dentro do partido (no caso de executiva vencida).

Confusões a parte, o que vemos claramente é que o PSD, seus filiados e principalmente seu presidente não aprenderam com erros de um passado recente. Sem grupo, não há candidatura consistente e Valmir segue em seu “modus operandi” de dividir e não juntar. Caberia a Valmir o papel de unir a oposição e apresentar um projeto à população, alternativo ao que aí está. Mas não conseguindo nem juntar os seus, o que esperar dos outros, que não parecem nem um pouco dispostos a abrir para Valmir, como ele exigiu, insanamente, do seu “colega de partido” e à época, mandatário, Gesmar Costa? Dessa maneira, Valmir e seu grupo, expõe o Partido à possibilidade de ter sua convenção contestada em juízo pela série de irregularidades que podem ser facilmente constatadas, mas que por ora não vale comentar, a não ser que as circunstâncias assim o exijam.

O atual prefeito, a despeito de ter aparentemente despertado do sono letárgico que o dominou pelos seus primeiros dois anos à frente da PMP, tem muito espaço ainda a reconquistar, se quiser se reeleger, mas com ajuda vindo até de onde menos se deveria esperar, ele agradece! 2020 está bem aí e Darci assiste a tudo com um sorriso no rosto! 😉

 

** as informações podem ser conferidas neste endereço

Avatar
Sobre Vicente Reis 21 Artigos
Vicente Reis, 46 anos - “Músico de formação, Programador e Data Scientist”. Viciado em Ópera, Jazz, e-Games, Clube do Remo e Vasco da Gama. Político Cultural, Agente Político e militante de causas perdidas...

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta