Brumadinho: Vale fecha acordo de R$ 1,1 bilhão

COMPARTILHE:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Após a divulgação de que a tragédia ocorrida na barragem da Mina do Córrego do Feijão que rompeu, provocando uma avalanche de lama ao despejar 11,7 milhões de metros cúbicos de rejeitos, segundo estudo realizado e divulgado pelo Centro Internacional de Métodos Numéricos em Engenharia (CIMNE), entidade vinculada à Universidade Politécnica da Catalunha (UPC), pode ter ocorrido após perfuração que estava sendo feita na represa, a mineradora Vale anunciou na última quinta-feira (7), – um dia antes do possível fato causador da tragédia ter se tornado público – que conseguiu fechar acordos de indenização com familiares de todos os trabalhadores, próprios ou terceirizados, vítimas do desastre, com os valores envolvidos somando R$ 1,1 bilhão.

Para isso, foram 680 acordos desde 2019, que envolvem 2,4 mil pessoas, informou a companhia. Isso não significa que novos acordos com familiares não possam ser fechados. O colapso da barragem despejou uma onda de rejeitos de mineração, que deixou um total de 270 mortos, sendo 250 funcionários, ao atingir instalações da própria empresa, comunidades, rios e florestas.

As indenizações individuais não foram incluídas em um grande acordo de R$ 37,69 bilhões homologado este ano entre Vale e autoridades, que encerrou ações coletivas movidas na Justiça relacionadas a danos socioeconômicos e socioambientais. No total, segundo a empresa, foi firmado até agora um total de 5,5 mil acordos individuais, entre cíveis e trabalhistas, o que resultou no desembolso de mais de R$ 2,4 bilhões.

Em fevereiro do ano corrente, a mineradora Vale havia fechado acordo com o governo de Minas Gerais. Após quatro meses de negociações e 200 horas de reuniões, o termo foi assinado com o valor de mais de R$ 37 bilhões. Segundo matéria do site G1, tendo como base informações repassadas pelo Poder Executivo estadual mineiro, este é o maior acordo já realizado na história do Brasil. Mas, inicialmente, o governo havia pedido cerca de R$ 55 bilhões.

À época, o procurador-geral do Ministério Público de Minas Gerais, Jarbas Soares Júnior, já afirmava que era maior acordo judicial da história do país. Segundo documento divulgado pelo governo no período, cerca de 30% dos R$ 37,68 bilhões vão beneficiar o município e a população de Brumadinho.

O blog no Twitter!