Damares Alves, a melhor escolha do novo governo; justamente por atender em nível de excelência o objetivo de sua nomeação

0
0

A nomeação de Damares Alves, a titular do Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos, foi a melhor escolha do novo governo até o momento. E isso não é ironia deste blogueiro. A afirmação se baseia no que representa a atuação dela está causando.

Ela não será uma competente ministra. Não será uma hábil gestora. Na verdade, Damares foi colocada no cargo para fazer exatamente o que está fazendo: polêmica. Sua narrativa é perfeita para isso. Sua dialética é carregada de frases de efeito, quase sempre polêmicas e que geram novos rebatimentos. Exatamente o que o governo precisa: tirar o foco da gestão, conforme escrevi no recente texto intitulado de “A Cortina de Fumaça” (Leia Aqui). Damares se tornou destaque antes mesmo de assumir. Se será descartada ainda é cedo para afirmar, mas a sua função até o momento é uma das mais importantes e destacadas na Esplanada dos Ministérios.

Se até o presidente já foi desautorizado publicamente, por que então, Damares nunca foi? Se as suas narrativas são polêmicas e geram desgaste ao governo, por que a ministra não foi interpelada pelo presidente ou por um auxiliar próximo ao mandatário?

Muitos a julgam desequilibrada e de baixo nível intelectual. Pelo contrário, Alves é de um alto grau de inteligência e articulação. Tudo que fala – por mais absurdo que possa ser, e às vezes é – é analisado e calculado, inclusive o nível de polêmica.

A ministra está tendo desempenho melhor do que o esperado. Por enquanto, sua performance está garantindo ao governo tomar decisões sem que sejam interpeladas pela opinião pública, ou que tenham efeito e percepções menores do que deveriam ter, a exemplo da reforma da previdência, que está sendo formatada para ser entregue ao Congresso Nacional, sem maiores questionamentos. O que está gerando mesmo ressonância é a dialética da ministra Damares. A sua escolha foi acertada e está melhor do que o esperado, pelo menos ao núcleo de gerenciamento do governo.

Deixe uma resposta