IBGE detecta volta do aumento da desigualdade social no Brasil

Compartilhe nas redes sociais.

Divulgado nesta quarta-feira (16), a Pesquisa Nacional por Amostra Domicílios Contínua (Pnadc) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O levantamento chega a conclusões semelhantes ao estudo divulgado em agosto último pela Fundação Getúlio Vargas (FGV Social). Em ambos, o que se verificou foi que a desigualdade social no Brasil está em uma tendência de crescimento, após mais de uma década de redução, por meio de programas sociais e políticas públicas que vinham reduzindo as distâncias abissais existentes entre as rendas mensais médias da população de menor poder aquisitivo e das elites mais abastadas. 

A PNADC do IBGE mostra que, em 2018, a renda média do 1% dos mais ricos subiu de R$ 25.593 para R$ 27.744, alta de 8,4%. Já entre os 5% mais pobres, o rendimento caiu 3,2%. O Instituto apurou ainda que as discrepâncias nas rendas médias dos mais ricos e mais pobres fizeram subir o Índice de Gini, que mede a concentração de renda. Quais mais perto de 1, maior a concentração. Pois o Gini subiu de 0,538 para 0,545, o maior desde 2012.

“Do impeachment da Dilma pra cá houve uma inversão da logica redistributiva do Estado. E a EC 95 vai achatar recursos em educação, saúde e assistência social. Já está provocando estresse nessas áreas, que servem mais aos mais pobres”, avalia o professor do Instituto Federal do Espírito Santo (Ifes) Rodrigo Medeiros, referindo-se à Emenda Constitucional que congela os investimentos estatais em áreas estratégicas por vinte anos (e, curiosamente, foi aprovada no Senado na mesma data, 13 de dezembro, em que, em 1968, era promulgado o Ato Institucional (AI) nº 5, um dos mais vorazes da Ditadura Militar). 

A afirmação se faz, ressalva o acadêmico, mesmo diante da inegável constatação de que o problema da desigualdade social no Brasil remete à origem da colonização, há 500 anos. “Foram três séculos e meio de escravidão institucionalizada. Mas ainda hoje o Ministério Público do Trabalho faz operações e encontra trabalhadores em situação análoga ao trabalho escravo”, pondera. “A pobreza tem cor de pele no Brasil, segundo dados do IBGE. Permanece a escravidão no inconsciente coletivo do país”, diz. 

Tributação progressiva

Para a professora de Economia da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) Pollyana Paganoto Moura, doutoranda em Desenvolvimento Econômico pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), a redução das renúncias fiscais pode ampliar o orçamento para “políticas de geração de emprego, de valorização dos salários dos professores e servidores em geral e de distribuição de renda via secretaria de assistência social”.

No contexto nacional, a medida mais eficaz e rápida é mesmo implantar a tributação progressiva, onde pessoas mais ricas pagariam mais impostos, por meio da tributação direta, sobre renda. A tributação regressiva em vigor, com impostos indiretos, onera o consumo e a produção e assolam os mais pobres. 

No universo da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), destaca Pollyana, apenas o Brasil e a Estônia não tributam lucros e dividendos, abrindo margem para que os mais afortunados criem várias empresas para não terem imposto de renda incidindo sobre suas rendas de pessoa física. “É uma aberração”, critica. 

Dados de 2015 do Imposto de Renda brasileiro mostram que as pessoas com renda média mensal de 135 mil reais – que representam míseros 0,1% dos declarantes daquele ano – pagaram alíquota efetiva de apenas 9,1%, menos de um terço do teto de 27,5%. “O Brasil também tem a menor tributação direta, que é em torno de 18 a 19%. Nos Estados Unidos, essa tributação sobre a renda é de 50%”, compara a pesquisadora. 

Uma tributação progressiva resolve problemas macroeconômicos sem custos e de forma muito eficiente, refirma Pollyana. Enquanto as pessoas de menor poder aquisitivo, quando têm sobra no orçamento, distribuem essa renda investindo seu dinheiro no consumo de comércio e serviços, as pessoas mais ricas tendem a poupar ou fazer aplicações financeiras, ou seja, perpetuando a economia especulativa e não a produtiva, que realmente gera emprego e distribuição de renda.

Fonte: Seculo Diário (com adaptações).

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta