Eleições 2020: a polêmica do falso décimo “elemento” em Parauapebas

0
763

Poucos sabem, mas Parauapebas deixou de ter nove candidatos a prefeito, como muitos ainda imaginam. Isso mesmo. Basta acessar o site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para comprovar. Recentemente, mais um nome consta da lista dos que almejam sentar na cadeira mais importante da cordilheira de ferro, totalizando agora dez postulantes.

O último a ter o seu registro aceito, aguardando julgamento, assim como todos os demais candidatos, chama-se Givaldo Cedro de Oliveira (Cidadania), tendo como vice Adão Júlio, do mesmo partido, ambos concorrem ao Palácio do Morro dos Ventos. Oliveira não declarou possuir bens; já Júlio declarou possuir um automóvel no valor de R$ 48 mil. Na página de registro do candidato em questão do TSE, não há a proposta de governo, site ou prestação de contas.

Porém, todo o enredo descrito acima, mudou de contexto e perdeu o seu valor legal. Como se sabe, o partido Cidadania declarou apoio o candidato Valmir Mariano (PSD). Então como ter candidatura própria prefeito e apoiar outro candidato concorrente? É sabido que Fábio Sacramento, o presidente municipal da legenda, apoia Mariano. Até subiu no palaque do candidato do PSD. Então, por que a legenda que dirige em Parauapebas, apresentou candidatura majoritária?

O Blog fez contato com Sacramento para esclarecer a situação, no mínimo, estranha. Segundo ele, o Cidadania não tem candidatura a prefeitura de Parauapebas. O partido apoia Valmir Mariano (PSD). Em meio ao processo dialético entre este blogueiro e o presidente da legenda, o mesmo apresentou dois documentos expedidos pela Justiça Eleitoral de Parauapebas (uma petição e uma sentença) sobre o caso, e esclareceu o imbróglio.

Para que o leitor do Blog possa entender, vamos aos fatos. A convenção partidária do Cidadania decidiu por voto da maioria presente, que a legenda iria apoiar o candidato Valmir Mariano (PSD). Todavia, Givaldo de Oliveira deu entrada na Justiça solicitando a anulação da convenção, e pedindo o registro de sua candidatura e de seu vice Adão Júlio, que aliás, consta na site do TSE, seu registro de candidato a vereador, nesta cidade. Ou seja, até o fechamento desta matéria, Júlio tinha dois registros junto ao citado tribunal.

No último dia 14, a juíza eleitoral Priscila Mamede Mousinho, emitiu a sentença sobre o caso. Por ter encontrado irregularidades insanáveis na petição inicial, a referida magistrada deu ganho de causa a Fábio Sacramento, presidente municipal do Cidadania, em Parauapebas. Portanto, o partido – apesar de constar ainda no site do TSE registro de candidatura a prefeito – não concorre ao Executivo. A legenda apoia o candidato Valmir Mariano (PSD).

Veja abaixo os documentos citados.

0600449-78.2020.6.14.0075_16348088 (1)

0600449-78.2020.6.14.0075_13495315

Deixe uma resposta