EXCLUSIVO: Entrevista com Elson Cardoso – Secretário Municipal de Produção Rural de Parauapebas

Compartilhe nas redes sociais.

A Secretaria Municipal de Produção Rural – SEMPROR esteve, desde o início deste mandato, sob o comando de Eurival Martins Carvalho, o “Totô”, liderança do MST na região e que mantém fortes laços pessoais com o atual prefeito.

Porém é sabido que essa nomeação nunca agradou ao segmento do campo, pois Totô nunca conseguiu, satisfatoriamente, pacificar os interesses dos diversos grupos atendidos pela pasta. Sua manutenção no cargo sempre foi estritamente bancada pelo prefeito, confiante de seu trabalho e capacidade.

Agora, em tempos de mini reformas administrativas, o prefeito resolveu por bem realizar ajustes na pasta, atendendo a pedidos. No lugar de Totô entra Elson Cardoso, efetivo da SEMPROR e um quadro eminentemente técnico.

O Blog esperou um tempo para realizar essa entrevista para que o novo Secretário tivesse um tempo para se pôr a par da situação – caso não estivesse – da secretaria. Fomos muito bem recebidos pelo Secretário para essa conversa em seu gabinete.

BLOG – Secretários concursados não são muito comuns nas administrações em nosso município. Como o senhor avalia essa situação? É vantajoso poder contar com alguém que está na pasta há muitos anos e realmente conhece por dentro os problemas do homem do campo? Por outro lado, o cargo de Secretário é o cargo mais político que existe dentro da estrutura; como lidar com as exigências políticas de um cargo técnico?

R: Bom dia, me chamo Elson Cardoso, sou zootecnista, técnico em agropecuária, estou me especializando, concluindo a minha especialização em Sanidade e Manejo Sustentável em Aquicultura, buscando conhecimento nas Universidades. Sou filho de produtor, e estou aqui na secretaria e sei o que os produtores passam, os que estão no campo, então eu sei muito bem esse sofrimento. Então, o pessoal em Parauapebas foca muito nesta troca, sai um do MST e entra um profissional de carreira da secretaria. Então, essa parte é muito interessante, porque eu já estava aqui, conheço e tenho conhecimento das áreas, do que precisa mudar, o que precisa dar continuidade em nosso projeto. O nosso próprio prefeito pediu para que possamos dar continuidade aos projetos bons, e melhorar os outros que precisam. O pessoal vê muito o cargo de secretário como algo político, soa estranho quando um técnico da área – como  foi o meu caso – assumir tal cargo. E esta secretaria tem um histórico de indicação política, porém o prefeito Darci achou melhor e o momento é este, e eu agradeço pelo convite, e nós estamos aqui para trabalhar e mostrar a capacidade técnica que temos, para que a nossa equipe possa desenvolver projetos que visem melhorar a vida do homem do campo. 

BLOG – em sua gestão, que o senhor pretende implementar para fortalecer a agricultura familiar, que é um dos pontos mais fortes da nossa produção agrícola?

R: Então… Nesta gestão que me antecedeu, o prefeito Darci pediu para que se desse continuidade. Há alguns projetos que estão em andamentos: Projeto “Leite ao Pasto” o Plano Safra, e buscar parcerias com Universidades, com a Embrapa e o ICMBIO. Precisamos desses parceiros para dar continuidade aos nossos projetos. A secretaria sozinha, não anda, tem dificuldade. Inclusive nós, em 28 dias que estamos nesta cadeira, já conseguimos várias ações: sementes de cupuaçu, de açaí, sementes florestais. Para se ter uma ideia, nós conseguimos 50 mil sementes florestais. Nos próximos dias nos teremos quase duzentas mil sementes que serão plantadas e distribuídas para os agricultores no final do ano, no começo das chuvas.

BLOG – Uma demanda antiga em nosso município é que a agricultura familiar da nossa região abastecesse a rede municipal de ensino em pelo menos 30% do que é consumido nas escolas, gerando qualidade na merenda escolar e renda para o agricultor. Algo está sendo feito ou pensado nesse sentido?

R: Sim, está sim. Inclusive, o que que o município produz hoje diretamente da merenda escolar? São hortaliças e produtos derivados, como laticínios, iogurte, queijos, etc. Nós estamos centrados mesmo é na parte de hortaliças, hortifrutigranjeiros, já que são muitos moradores próximos à cidade que estão produzindo e essa produção é direcionada para as escolas, além das frutíferas como mamão, banana, polpas de fruta como cupuaçu, o açaí, e outros.    

BLOG – O Senso Rural em nossa região já foi feito? Como anda?

R: Então… O Senso Rural, nos fizemos o levantamento, os cadastros; como é que que funciona? A Secretaria tem um cadastro. Todo produtor do município e das regiões vizinhas, precisa fazer um cadastro através da apresentação de documentos pessoais, e todo técnico que atende um agricultor, nós pegamos e lançamos essas informações no sistema, que chama-se “Pro-Rural”, que é um programa desenvolvido pela SEPLAN (Secretaria de Planejamento) em parceria com a nossa secretaria, e todos esses produtores do nosso município, estão cadastrados em nosso sistema. Então, só nós da secretaria possuímos informações sobre esse agricultor. Por exemplo, quando ele é atendido pelo veterinário, quando a vaca dele tem problema de parto; a galinha dele adoeceu…Chama o veterinário; chama o zootecnista para trabalhar a nutrição dos animais… O suíno que está lá e não está desenvolvendo. Então essas pessoas quando vão atender, eles produzem uma ficha técnica no local, trazem e lançam em nosso sistema.

BLOG – Essa pasta teve grande destaque na elaboração do Plano de Governo do então candidato Darci Lermen, em 2016. Havia muitas propostas específicas para essa área; quantas dessas propostas estão sendo trabalhadas atualmente?

R: São várias as propostas que podemos destacar e elas estão em andamento, como: política agrícola de fortalecimento da agricultura familiar; agropecuária voltada ao meio ambiente. Quando se fala em meio ambiente, é muito importante que nós técnicos, temos o dever de ensinar o produtor, de mostrar a ele qual a importância do meio ambiente para ele no campo. Ele precisa cuidar de suas nascentes, reflorestar os seus rios, preservar as áreas de APP (Áreas de Preservação Permanente), que ele não toque fogo em suas pastagens. E nós secretaria já temos 50 mil sementes florestais que estamos plantando, já estão no viveiro. Pretendemos até o final do ano repassar essas mudas gratuitamente para os produtores para que eles possam tocar os seus projetos de reflorestamentos e cuidar do meio ambiente que é muito importante, porque é algo que Deus nos deu de graça.   

BLOG – O que podemos esperar de efetivo para esses dois últimos anos desse mandato na gestão da SEMPROR?

R: A Secretaria possui um grande corpo técnico, não só de efetivos, mas de contratados também, e a nossa demanda aumenta a cada dia. Os técnicos da Sempror não atendem só o município de Parauapebas, atende Marabá, Canaã dos Carajás e Eldorado dos Carajás. Então essas pessoas precisam da gente, precisam que a gente atenda elas. Então a nossa demanda só aumenta, hoje nós atendemos 3.500 famílias. Não reclamamos em atender, mas às vezes a gente fica deixando a desejar por essa sobrecarga, pelo volume do atendimento, mas fazemos sempre o possível para atender. Trabalhamos sábado, domingo, feriado se for preciso para que possamos atender o produtor.

BLOG – Secretário, nos sabemos que o governador eleito agora, é um parceiro político do prefeito Darci Lermen. Tendo isso como base, como estão sendo criadas as relações institucionais entre os órgãos estaduais e a Sempror?

R: Eu como secretário, juntamente como alguns técnicos, já entramos em contato e pretendemos ir a Belém ainda neste primeiro semestre, indo na Adepará (Agência de Defesa Agropecuária do Pará), Sedap (Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e Pesca do Pará) na Fiepa (Federação das Industrias do Estado do Pará). Estamos vendo também junto ao Ministério de Agricultura, ações e parcerias. Ver o que eles podem nos ajudar na questão da agricultura familiar, que corresponde a 75% do volume de alimentos que chegam à mesa das pessoas

BLOG – O senhor gostaria de finalizar dizendo algo ao homem do campo?

R: Nós iremos – conforme o Darci pediu – para que dessemos continuidade aos projetos que estavam sendo executados, como o “Leite ao Pasto”, que é algo novo, um projeto piloto em nosso país. Nesse projeto serão atendidas 65 famílias. Ha um outro projeto também, o de Fruticultura, que foi lançado e que atenderá 140 famílias com o processo de irrigação (Açai, Cupuaçu, Goiaba, Acerola, Mamão e Maracujá) e essas culturas irão ser trabalhados o período todo, já que são irrigadas. Esses projetos são uma forma de segurar a família no campo, o filho do produtor. Eu como filho de produtor eu sei que hoje os meus pais estão no campo sozinhos. Os filhos crescem e vem para a cidade. Inclusive, a Universidade (UFRA) veio fazer uma pesquisa, buscar parceria conosco, para saber qual o futuro da agricultura daqui a 15, 30 anos? A gente não sabe… Os velhos estão ficando velhos e os novos estão vindo para a cidade. A secretaria vai existir? Vai atender quem? As pessoas irão voltar para o campo? Vão acabar vendendo as suas propriedades para os fazendeiros? Haverá criação de uma só cultura?

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta