EXCLUSIVO: entrevista com Ivanaldo Braz, o vereador mais votado de Parauapebas

0
1180

Natural de Presidente Dutra, município maranhense; nascido em 1977, hoje com 43 anos de idade, Ivanaldo Braz Silva Simplício foi reeleito com 3988 votos, sendo o vereador mais votado em Parauapebas, na última eleição. Ele é o entrevistado da vez no Blog do Branco. Na entrevista, Braz nos conta a sua história, sua trajetória política, sobre o futuro e o que esperar de seu próximo mandato.

Explique aos leitores do Blog, como e por que um maranhense de Presidente Dutra (MA) veio para Parauapebas?

R: Primeiramente, Branco, agradeço pela oportunidade desta entrevista. Sobre a sua pergunta eu acredito que eu cheguei e vim pra cá como a maioria veio, ou seja, buscar dias melhores. Sou de uma família de sete irmãos, a profissão de meu pai era vaqueiro. Você sabe que lá no Maranhão as oportunidades são para os que já tem; os que não tem, fica difícil conseguir, principalmente na questão da qualificação profissional, para a gente ter um emprego, crescer na vida. Aí meu pai resolveu que a gente iria para Parauapebas e aqui chegamos na década de 1990. Eu só tenho a agradecer, porque Parauapebas é uma cidade que nos acolheu de braços abertos. A gente aproveitou muito, da mesma forma que perdemos, tivemos grandes perdas aqui… Mas faz parte do dia-a-dia, da vida. Deus nos abençoou e a gente foi tendo as oportunidades na questão política e vem dando muito certo, graças a Deus.

Esse direcionamento para a política foi algo natural ou ocorreu algum fato ou até mesmo alguém que apostou em você?

R: Foi muito natural… Nós viemos para cá, e meu pai só sabia trabalhar com agricultura, “mexer” com gado, aí compramos uma terra e ao lado da nossa o vizinho tinha sido candidato a vereador que se elegeu, pois ele teve uma votação expressiva. Daí ele me chamou para trabalhar com ele na campanha e aí nasceu em mim essa vontade, que eu já tinha, mas que ficou muito forte. Ele se elegeu, mas não teve sucesso no mandato, e só foi uma vez vereador. Depois um primo meu saiu candidato, foi bem votado, não ganhou, mas na seguinte ele ganhou. Dai eu peguei gosto e tive também a oportunidade de ser candidato.

Pesquisando a sua trajetória, o seu crescimento político impressiona. Em 2012 se elegeu pela primeira vez com 1500 votos; em 2016 chegou a 2893 votos e em 2020, quase quatro mil votos (3988), o que lhe fez ser o mais votado entre todos os vereadores? Quais fatores ou a que o senhor atribui esse desempenho?

R: Primeiramente agradecer a Deus por ele ter nos dado essa oportunidade de ter sido vereador pela primeira vez. A minha última votação, essa que você citou (3988 votos), acho que é uma marca que deverá demorar alguém bater ela. Esse nosso resultado é uma sequência de fatores: primeiro deles é ouvir a comunidade, está no meio do povo. Resolver todos os problemas? Claro que não. Ninguém dá conta. Mas você tem que ouvir e dar pelo menos uma palavra amiga, aquela de conforto ao cidadão. Segundo é ter uma base familiar. Eu tenho uma esposa que me ajuda muito e isso faz a diferença. Eu até digo que se eu colocar ela como candidata a vereadora, ela faz a mesma margem que eu fiz. Terceiro é ter uma equipe muito boa de trabalho, e isso Deus me deu no meu gabinete. E isso vira uma família e ela responde como se fosse de sangue mesmo; ela vai em busca do voto, veste a camisa. Nós temos também o conhecimento e o reconhecimento vastos, tanto na zona rural, quanto na zona urbana, o que fez ampliar muito a nossa abrangência politicamente falando.

O Blog está entrevistando um possível candidato a prefeito, em 2024?

R: Vou te responder o seguinte: quando cheguei aqui eu não tinha sonho de ser vereador. Eu ajudava as pessoas, mas não tinha esse sonho, não. Digo sempre as pessoas que todo vereador de Parauapebas é como se fosse um jogador do Campeonato Brasileiro, aí te pergunto e já respondo: qual o sonho desses jogadores? Se destacar e ir para a seleção brasileira, não é? Já estou no final do segundo mandato e já iniciando o terceiro e eu falo: qualquer vereador tem vontade em ser prefeito. Eu tenho essa vontade, mas no “tempo de Deus” e quando eu tiver mais bem preparado para essa missão.

Braz, quais são os maiores desafios que a classe política que você compõe, terá pela frente em relação ao nosso município?

R:Branco, Parauapebas é uma cidade em que as pessoas não cobram muito. Se você olhar a sociedade, ela cobra o básico, porém, é uma cidade que é difícil de colocar o básico para as pessoas. Por mais que se diga que a cidade é rica, orçamento monstruoso, porém as demandas são maiores que o orçamento. Não estou aqui defendendo prefeito. Nós temos desafios por onde você olhar. Temos um desafio enorme que é a questão da água, que é uma coisa básica, e nós temos que trabalhar em cima disso. Nós temos ainda, a questão da Educação, pois ainda temos o horário intermediário; temos várias escolas com vários anexos, que chegam a quase cinquenta. Ainda temos uma falta considerável de creches em nosso município, um volume considerável de mães solteiras que precisam trabalhar e trazer o seu sustento. Serve também para qualquer mãe, não só as solteiras. Questão da Saúde é uma questão séria. Tanto que nós temos um secretário que veio de fora. Acredito que nós temos muito a contribuir com a Saúde, que não é só de Parauapebas, ela é da região, pois os nossos hospitais (HGP e o Pronto Socorro) atendem a vários municípios próximos; temos que encontrar uma forma de fazer esses municípios entrarem com uma contrapartida. Temos que lutar para regionalizar o nosso Hospital Geral.

À época que foi entregue o Hospital Geral de Parauapebas (HGP), em setembro de 2016, o Blog tratou da questão como sendo a “bala de prata” do governo Valmir. Tudo feito às pressas para entregar a obra, que nem funcionava direito. Não faltou articulação de vocês da classe política com o governo do Pará, para que o hospital em questão tivesse o perfil Regional?

R: Na verdade, desde o “nascimento” daquele hospital já faltou articulação. Era para ter “nascido” pronto para ser entregue o governo do Estado. Hoje isso não é mais possível, e obviamente o Estado não quer.

Por ter isso o vereador mais votado, o senhor está na “briga” novamente pela Presidência da Câmara?

R:Branco, na verdade assim… Hoje, estamos aí trabalhando, meu nome está aí sim, está posto, mas eu tenho concorrências que eu digo que são saudáveis. Eu acredito muito em uma aliança que forme uma única chapa em torno do meu nome. Estamos trabalhando para isso. Como você já bem colocou, já tive a experiência de ter sido presidente desta Casa e fui bem avaliado.

Quais serão as suas prioridades para o seu próximo mandato?

R:Nesta entrevista nós tratamos de pelo menos três assuntos críticos (água, saúde e educação). Digo que serei um braço-direito do prefeito no sentido, por exemplo, melhorar o nosso sistema de abastecimento de água; podem contar comigo nisso aí! Na Educação, como eu disse, a questão das creches foi uma bandeira que eu levantei muito em minhas caminhadas, em minhas reuniões. Nós vamos trabalhar muito em cima disso. Ainda sobre a Educação; Branco, e você sabe muito bem sobre isso, nós temos que trabalhar muito a questão de tornar essa cidade um polo universitário. Essa é uma outra bandeira que temos que enfrentar. Para fechar, irei trabalhar muito sobre a questão de um centro de Zoonoses em nossa cidade.

Nem tudo são flores, nós temos também situações nem sempre agradáveis que a política nos impõe, problemas, fases ruins… Quando o senhor presidiu o parlamento municipal, tivemos diversas operações do Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco). O que o senhor tem a dizer sobre isso?

R: Que fique claro que essas operações eram referentes às gestões anteriores a minha. Tivemos sim um grande problema aqui na questão política… Foram escândalos… E por que? Para você ter uma ideia, hoje, por exemplo, essa entrevista que você está fazendo, está usando um celular, antes eram outros aparelhos que não tinham a mesma eficácia. A política também passou por isso, por essa mudança. Antes da minha Presidência se tinha um modelo de gestão, e quando assumimos implementamos um outro. Hoje tudo precisa ser transparente, hoje temos um Portal da Transparência que qualquer cidadão pode acessar, ou seja, ele é uma ferramenta chave para a sociedade e para nós políticos. Então, quem vivia naquele modelo antigo que você fazia uma licitação para depois juntar a documentação, isso não existe mais. Então aconteceu tudo aquilo… Foi por maldade? Talvez não, mas o costume que já se tinha em fazer de um jeito.

Braz, o Blog agradece o seu aceite e sua disponibilidade em nos conceder essa entrevista, e o deixa à vontade para proferir a sua mensagem final, encerrando assim este encontro…

R: Branco, mais uma vez quero te agradecer, viu. Dizer que durante o meu mandato as portas estarão abertas ao seu Blog. Parabenizar este veículo pelo importante trabalho de informar e sempre com boas matérias e análises. Quero dizer que sempre fui parceiro da imprensa e sempre os tratei sério para que nos trate sério também. Quero pedir a Deus esse discernimento para que possamos fazer um bom mandato, atendendo o número máximo de pessoas; ajudar Parauapebas a ser cada vez mais um melhor lugar de se viver. Aos novos pares que estão chegando, eu espero que eles venham com a melhor intenção do mundo; espero que Deus coloque a melhor forma de trabalho a eles. Se depender de mim, terão um ombro amigo para ajudar. Desejo que Deus abençoe você e o seu Blog, também.

Imagens: Pablo Oliveira.

Deixe uma resposta