A disputa pelo Palácio Antônio Lemos teve o seu start

Compartilhe nas redes sociais.

No último dia 23, foi apresentado o resultado da primeira pesquisa realizada pelo Instituto Real Time Big Data, e que foi divulgada pela TV Record Belém, onde mostra a preferência do eleitor da capital do estado, com os nomes dos possíveis pré-candidatos a prefeito de Belém, com as maiores intenções de votos e os mais rejeitados perante o eleitor.

Segundo a pesquisa, o deputado federal e ex-prefeito da capital paraense, Edmilson Rodrigues (PSOL) mantém a liderança observada nas pesquisas eleitorais dos últimos anos quando disputou o Palácio Antônio Lemos. Entre os outros pré-candidatos citados na pesquisa, vemos Cássio Andrade (PSB), Vavá Martins (PRB) e Lúcio Vale (PL) empatados com 3%. Mauro Freitas (PSDC) e Orlando Reis (Sem partido) aparecem com 1%, no primeiro cenário. Pelo período é normal ao se produzir pesquisa de intenção de voto ao Executivo municipal de uma capital, em que apareçam diversos nomes. Por isso, o citado instituto produziu dois cenários, em que diversos nomes foram colocados aos entrevistados.

Sobre os números apresentados, não há surpresas. O deputado federal, Edmilson Rodrigues sempre lidera com folga as primeiras pesquisas eleitorais. Já governou Belém por dois mandatos e tem capital político respeitado. Perdeu as duas últimas vezes para o atual prefeito Zenaldo Coutinho (PSDB). Como sempre, falta estrutura a Rodrigues para vencer, por conta do tamanho político do Psol. Desta vez a Prefeitura de Belém será disputada sem a presença dos tucanos no governo do Pará. E isso, queiram ou não fará muita diferença.

A pesquisa foi divida em dois cenários: um com a presença do ex-governador Simão Jatene e outro sem a presença do ex-mandatário estadual. Na que consta o seu nome, Jatene aparece em quarto lugar, com 11% das intenções de votos. Portanto, a priori, o tucano em questão não apresenta-se como uma alternativa forte ao Palácio Antônio Lemos, apesar de ficar dentro da margem de erro, empatado em segundo lugar. E, caso queira ser candidato, não deverá contar com apoio do atual prefeito, que é seu correligionário; resquício ainda da última eleição, em que Jatene escolheu Márcio Miranda, do DEM, ou seja, um nome fora do ninho tucano. Outra questão é: será que Simão iria se lançar à prefeitura de Belém, depois de ter sido governador por três vezes? Ainda mais para suceder Coutinho, considerado o pior prefeito que já passou pela capital paraense.

Conforme dito pelo blog em outros artigos, o governador Helder Barbalho será o grande mediador do processo. A ele caberá escolher entre algumas opções de dentro do seu governo, quem será o candidato que contará com o apoio da máquina estadual. A pesquisa realizada pelo Instituto Real Time Big Data, aponta o esperado: a secretária estadual de Cultura, Ursula Vidal aparece como a candidata mais bem colocada. Vidal tem ótimo capital político, construído nas últimas eleições, quando concorreu ao Senado Federal e a Prefeitura de Belém, ficando em quarto lugar, com quase 80 mil votos. A pesquisa ainda coloca em terceiro lugar, o deputado federal Eder Mauro (cenário 1, em terceiro, e no cenário 2, em segundo). Porém, o delegado carrega o maior índice de rejeição entre todos os nomes apresentados.

Segundo o que corre pelos corredores do Palácio do Governo, é que a preferência hoje do governador seria pelo seu vice, Lúcio Vale, que aparece na pesquisa com 3% das intenções de voto, mas com grande projeção de crescimento, por sua baixa rejeição. Vale foi – conforme dito pelo blog – um verdadeiro salvo conduto a Helder Barbalho na Região Metropolitana de Belém, para evitar, por exemplo, o que ocorreu em 2014.

No contexto dos nomes, existe outro fator a ser analisado: o deputado federal Celso Sabino. O citado parlamentar tem reconhecido bom desempenho em Brasília, e tornou-se o principal agente político do PSDB. A questão é interna, já que o PSDB hoje está rachado. Há rumores que Sabino deixará a legenda caso encontre resistência dentro do partido ao seu nome na disputa pelo Executivo da capital paraense. Independente de quem vença, encontrará uma situação difícil, uma máquina pública em estado vegetativo, uma cidade em estado de abandono, reflexo da péssima gestão realizada pelo prefeito Zenaldo Coutinho, que conseguiu um efeito que surpreendeu a todos: ser pior gestor do que o seu antecessor, o ex-prefeito Duciomar Costa.

O start foi dado, e quem tem o controle do processo na mão é o governador Helder Barbalho, que tem como prioridade conquistar a capital do Pará. Por aqui ainda faltará definir quem será o candidato da máquina estadual. No município vizinho, Ananindeua, está tudo certo e encaminhado. Mas esse assunto será debatido no próximo post. 

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta