Bolsonaro está à vontade. E isso não é bom

Compartilhe nas redes sociais.

Não é de hoje que trato do modus operandi do Bolsonarismo. Há, só aqui, no arquivo deste blog, mais de uma dezena de artigos sobre o tema. E seguindo à lógica do ataque, é justamente quando mais recebo críticas. A ampla maioria delas é desprezível, não vale a pena replicar, justamente por não ter minimamente argumentação, ou quando tem, termina rapidamente e encerra-se com a habitual saída: atacando o PT, ou acusando quem crítica de ser comunista, comedor de criancinhas. 

Bolsonaro se elegeu presidente não querendo ser. Deixou claro em diversas entrevistas que o seu objetivo com a disputa presidencial, era eleger seus filhos (o 01 e 03), o que, de fato, ocorreu. Assumiu sem ter a mínima noção da liturgia do cargo. Se formos levar à risca a Constituição, ele já cometeu diversos crimes de responsabilidade. Já deveria ter sido protocolado na Câmara dos Deputados, pelo menos, dois pedidos de impeachment. A narrativa do presidente é deplorável. Ataca todos que – segundo ele – não comungam de suas ideias. E pior: mente. Deveria – como de fato anunciou em seu discurso após a confirmação de sua vitória nas urnas – apaziguar, trabalhar para unificar o país. Mas não. Faz justamente o contrário. Acirra os lados e mantém (como já dito em outros artigos) um Estado beligerante, o que tem método, pois alimenta seus apoiadores. 

Como já dito aqui, sua agenda (pessoal), mas que dita o seu governo é pautada em costumes e ideologias. E a economia? A geração de emprego e renda? Qual programa o Ministério da Educação apresenta hoje ao país? Quais projetos o governo já preparou ou estará implementando? Até agora foi só futilidades ou ações que em nada mudarão a realidade de milhões de desempregados. 

Não há um projeto de nação. O governo, antes dividido em grupos (ideológico, militar e técnica), todas essas sucumbem ao presidente e aos seus filhos. Bolsonaro governa aos seus (prole e apoiadores). Não desceu do palanque, continua em campanha nove meses depois do fim dela. Não tem postura de presidente, age como se ainda fosse deputado federal, em que pode falar e expor publicamente o que pensa e acha. Por isso, produz narrativas desastrosas, e até desumanas como no caso do pai de Felipe Santa Cruz, presidente da OAB. 

O pior é que hoje, Bolsonaro está a vontade. Não entende nada da liturgia do cargo que ocupa, mas isso não importa. Ele se acostumou com o poder e gostou da cadeira e da caneta de presidente. Por isso, sem rodeios, expõe publicamente o que pensa, aumentando a sua carga nas últimas duas semanas, coincidência ou não, após as volumosas críticas que recebeu ao indicar o seu filho para ser o embaixador brasileiro em Washington. Parece que age em um claro revanchismo contra principalmente a imprensa, a quem elegeu como inimigo.    

Bolsonaro sete meses depois de assumir o cargo, está à vontade. E isso não é bom. Novas narrativas desastrosas virão. E isso tem método. 

5 Comentários

    • Saudações, Lucas.

      Primeiramente, obrigado por acessar o Blog. Em relação a sua dúvida, o artigo é de fácil entendimento e bem direto. Portanto, ao lê-lo consegue entender o porque do título. Mas vamos lá. O que analisei é que, Bolsonaro hoje está bem à vontade no cargo, diferente dos primeiros meses. E por está à vontade, isso não é bom, pois percebe-se que ele fala o que quer e ataca quem quer. Desconhece, por exemplo, a liturgia do cargo que ocupa. E como disse pelo próprio: “é o meu jeito e assim continuará”.

  1. Meu amigo Henrique Branco, o Bolsonaro só fala merda é sem noção, mas o q vc ainda não entendeu é q ele entregou o governo pra quem sabe fechar acordo, conduzir negociações internacionais e governa o Brasil da melhor maneira.
    Bolsonaro é só um fantoche.

  2. Boa tarde.hj dia 04 d agosto d 2019.faz um tempinho qe ñ faço postagem n blog d branco,+ este conteúdo me chamou atenção:
    1-nunca me enganei d capitão-presidente no exercício da presidência da República,deixar de ser Bolsonaro.na minha avaliação ele ñ deixou de ser “parlamentar” pra ser o presidente d povo.alias nunca teve essa ousadia.30 anos como parlamentar ñ instruiu ou melhor ñ foi habilidoso em aprender em lidar c os seus pares ou na frente d executivo.atualmente nós estamos perplexos c suas “falas” e indignações.Eu nunca me enganei.
    2- É muito DEMODÉ nós enquanto pseudo-intelectuais avaliar este governo como liberal.estamos sim num governo autoritarista.veja qe os Institutos de pesquisa qe avaliar o clima,economia e outras categorias gonvernametais
    são desmetidos e desaprovados pelo capitão-presidente.
    3-O qe nós vemos atualmente é blogueiros e bolsominion fazendo o papel d “enxugar” o gelo.(ñ é o caso deste blogger)
    4-agente ñ sabe o qe é de fato é falk News ou artigos postando verdades ou inverdades,o cruzamento das informações são uma charada p os leigos.
    5- vejo os descontentamentos d governabilidade em eleitores pró ou contra Bolsonaro,+ tbm ñ vejo reação deles pra ir pra rua(como aconteceu c a Dilmar).
    6-as críticas são n maioria sem fundo historico.eu ñ consigo entender como alguém faz uma crítica sem citar materialismo histórico-dialético.é uma proeza leiga..de fato á literatura em escrever sobre o Bolsonaro é sempre o mesmo viés.
    7-na minha opinião ele tá fazendo o “dever” de casa “certinho”…sempre lançando uma polarização entre o leitor e a mídia.é um trabalho d marketing qe tá dando certo,desde a campanha p presidente.
    8-vejo diariamente intelectuais fzd “rótulos” sobre sua conduta e forma d governar,+ este dilema ficar sem sentido.é a mesma coisa todo dia(prof.villa).
    9-o cenário político ainda é controlado pelas indignações,vemos a questão indígena,os partidários fzd a mesmíssima posição durante a campanha,essa historia de falar qe somente o Bolsonaro tá em cima de um palanque é tbm reflexo dos bolsominion
    10-ñ sou pessimista,+ essas especulações sobre impermanência ou impeachment do presidente Bolsonaro é uma síntese muito simplista.acredito qe ele vai até o final d sua gestão.

Deixe uma resposta