Em Davos Bolsonaro foi Jair

Compartilhe nas redes sociais.

Ontem, no sopé dos Alpes suíços, pela primeira vez na história do Fórum Econômico Mundial, um latino-americano fez a abertura do evento. Coube, portanto, ao presidente brasileiro Jair Bolsonaro iniciar os trabalhos. Apesar do esvaziamento da atual edição do evento, com ausências dos principais líderes mundiais, o Fórum não deixa de ser importante.

Sobre o discurso do Chefe de Estado brasileiro pairava uma enorme expectativa em relação ao seu conteúdo. Inicialmente o tempo dispensado seria de 45 minutos, mas na prática não durou sete. Bolsonaro foi direto e um fez um discurso relâmpago que surpreendeu a todos. Não parecia que estava como o ilustre convidado, um protagonista, que abriu os trabalhos. Pareceu um coadjuvante que conseguiu um espaço em cima da hora de poucos minutos.

O discurso do presidente brasileiro foi um fiasco na avaliação da imprensa internacional. Muito aquém de um estadista de uma dos mais importantes países emergentes do mundo. A questão é: os assessores não conseguiram algo maior e melhor em relação a apresentação do presidente? Ou a breve narrativa foi uma escolha do Chefe de Estado brasileiro?

A questão é que a imagem internacional do novo governo ficou arranhada, justamente pelo discurso do presidente. Mesmo ele tendo um conteúdo liberal, o que pelo evento soa como música aos presentes, porém foi classificado como insuficiente a quem o assistiu.

De resto, Bolsonaro foi Jair, ou seja, o seu discurso foi a representação do que ele é: direto, superficial, sem aprofundamento e péssimo orador. Não há surpresas, não se pode esperar mais do que isso do presidente brasileiro. Cabe a Paulo Guedes por sua atuação econômica, consertar ou melhorar a imagem brasileira.

Ao presidente resta voltar ao Brasil e encarar de frente o vendaval que atinge o seu seio familiar, e que já transborda para o seu próprio governo. Em Davos – sem crise – Bolsonaro foi Jair.

2 Comentários

  1. Assistir o pronunciamento d capitão-presidente em Davos.
    Agente ñ sabe se analisar pelo viés político ou pelo viés intelectual,ou mesmo pelo viés grotesco.
    Pq este capitão-presidente utilizar essa expressão qdo quer se referir ao algo importante.É desconstruindo a língua portuguesa que este militar quer divulgar o Brasil p o mundo.
    É um paradoxo.
    Desisto de fazer uma análise deste Senhor.

  2. Minúsculo, discurso de Bolsonaro é uma decepção em Davos
    POR GUGA CHACRA22/01/2019 14:32
    Presidente Jair Bolsonaro sobe ao palco para discursar em Davos
    Presidente Jair Bolsonaro sobe ao palco para discursar em Davos

    O discurso de Bolsonaro em Davos foi uma decepção. Curto e sem profundidade, repercutiu mal entre integrantes do fórum econômico. Não deve ter convencido ninguém a ficar com uma imagem mais positiva do Brasil para atrair investimentos. Mesmo seus críticos esperavam algo de maior impacto, com o presidente do Brasil aproveitando o palco fornecido pela elite econômica e política do mundo para se posicionar como um líder internacional da direita como Viktor Orban, da Hungria.

    Suas poucas palavras devem cair no esquecimento ou serem lembradas como um dos momentos mais estranhos da história deste evento. Seu minúsculo discurso parecia uma compilação de tuítes mal escritos. Ficou distante de quando seu ídolo Donald Trump, um comunicador muito mais talentoso do que o brasileiro, esteve pela primeira vez como presidente dos EUA na Suíça.

    No início, Bolsonaro disse que esta viagem seria uma grande oportunidade “de mostrar para o mundo o momento único em que vivemos em meu país e para apresentar a todos o novo Brasil que estamos construindo”. Mas claramente o presidente do Brasil jogou esta oportunidade no lixo.

    Não vou me aprofundar em temas ligados à política brasileira e tampouco aos escândalos envolvendo seu filho Flavio Bolsonaro, mas apenas no que o presidente disse relacionado à política externa e a temas internacionais.

    Bolsonaro afirmou em Davos que o Brasil é o “país que mais preserva o meio ambiente”. Não informa, porém, de onde tirou tal informação. Tampouco apresenta números para sustentar este argumento. O ambiente é o Fórum Econômico de Davos, e não uma sala de aula do ensino fundamental. Para completar, ainda que a afirmação fosse correta, seria algo anterior ao governo dele. Afinal, ele assumiu há três semanas.

    Na frase seguinte, Bolsonaro acrescenta que “nenhum outro país do mundo tem tantas florestas como nós”. Verdade, mas isso não se deve necessariamente à preservação do meio ambiente. O Brasil tem um território gigantesco coberto por florestas. Compare a Israel, país que Bolsonaro costuma elogiar. É uma nação pequena com áreas desérticas, como o Negev. Como Israel poderia ter mais florestas do que o Brasil? Seria como dizer que o Canadá ou a Noruega possuem muita neve e, portanto, fazem mais para combater o aquecimento global do que o quente Egito. Até fazem, mas a neve não é o motivo, e sim as políticas implementadas pelos governos destes países.

    Bolsonaro tem razão ao dizer que o Brasil é uma economia relativamente fechada ao comércio internacional, e seu objetivo será incluir o país entre os 50 melhores para se fazer negócio no mundo. Bolsonaro, no entanto, não diz que como atingirá esta meta. Tinha disponibilidade de tempo não utilizada para se aprofundar. Dizer que a economia brasileira é fechada não é novidade para ninguém em Davos. Eles próprios elaboram rankings para medição da abertura das economias ao redor do mundo.

    Mais adiante, Bolsonaro afirmou que as relações internacionais do Brasil não terão viés ideológico. De fato, nos anos de Lula e Dilma, havia, sim, um viés ideológico na política externa. Este deixou de existir com Michel Temer. Mas o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, adotou uma nova ideologia, deixando de lado o pragmatismo do último governo. Basta ver a discussão sobre a possibilidade de transferir a embaixada brasileira em Israel de Tel Aviv para Jerusalém.

    Nos parágrafos seguintes, Bolsonaro diz que o Brasil adotará práticas promovidas pela OCDE e defende a OMC. Neste caso, o presidente brasileiro, apesar de não entrar em detalhes, agiu pela via correta de defender o multilateralismo — curiosamente, batendo de frente com parte de sua base e de seu governo que gostam de atacar o que eles chamam de “globalismo” de entidades internacionais.

    As críticas ao discurso foram pesadas. Não pelo conteúdo, mas pela falta dele. Brian Winter, diretor do Council of the Americas e editor-chefe do Americas Quartely, afirmou que o “discurso do presidente foi bem menor do que o esperado e não mencionou a reforma da previdência”. Segundo ele, um amigo classificou como “bizarra” a fala do presidente de Bolsonaro. “Nunca vivenciei algo similar com um presidente aqui”, acrescentou.

    O jornalista Jamil Chade, do Estado de S.Paulo, que cobre Davos há mais de uma década, disse nunca ter visto um discurso de menos de dez minutos no fórum. Heather Long, do Washington Post, classificou como um “enorme fiasco” o discurso de Bolsonaro. “Ele tinha todo o mundo assistindo e sua principal linha foi a de que as pessoas deveriam passar férias no Brasil. Bolsonaro pode ser chamado de Trump da América do Sul, mas ele pareceu tépido (sem entusiasmo).” Sylvie Kaufmann, do New York Times, disse que Bolsonaro não se encaixa ao público de Davos. “Discurso de campanha curto, muito generalista e ainda evitou dar respostas concretas a Klaus Schwab (presidente do Fórum Econômico Mundial). Não recebeu muitos aplausos.”
    Guga chacra d globo News tem uma análise real d discurso d Capitão-presidente.

Deixe uma resposta