O discurso é ambiental, mas claramente o que irá prevalecer será o interesse econômico

Compartilhe nas redes sociais.

O capitalismo como modo de produção, obriga uma empresa do porte da Vale de buscar o lucro a todo custo, ainda mais com a sua composição acionária; a rentabilidade positiva é a mola propulsora da empresa. No início da semana, Fábio Schvartsman, presidente da mineradora, informou em coletiva de imprensa, que a empresa irá encerrar as atividades em 10 barragens como a de Brumadinho, ou seja, com localização a montante. Segundo ele, essas barragens serão descomissionadas, e todas estão localizadas em Minas Gerais. Em solo mineiro são em um total de 19 barragens, nove delas já estão com o referido processo finalizado, restando uma dezena para que esse modelo de barramento seja encerrado no citado estado.

A decisão da Vale foi muito bem recebida pela opinião pública, inclusive pelo mercado, haja vista, que trará mais segurança na operação, além de eliminar a possibilidade de tragédias como as que ocorreram em Mariana e Brumadinho. O custo estimado para descomissionar as 10 barragens gira em torno de cinco bilhões de reais, que a Vale gastará pelos próximos três anos, prazo dado pelos engenheiros para finalizar todo o processo.

Mas o alto custo pode não ser encarado como prejuízo, podendo virar até lucro. Isso porque, o descomissionamento que nada mais é do que retirar o volume da barragem (água e/ou rejeito), poderá através de processo industrial tornar o rejeito (em alguns casos com alto teor de minério de ferro) um volume que pode ser reaproveitado, integrando-o à produção, tornando-o comercial.

Segundo matéria da Folha de São Paulo, a Vale desde 2016 vem usando os minérios (rejeito) das barragens, criando um novo produto, que ao ser formado é misturado ao de Carajás, o melhor do mundo, com com teor de 67% de pureza, o que torna o produto altamente procurado. Portanto, a Vale poderá com a operação de descomissionamento, ter lucro.

É o Capitalismo se reproduzindo, mesmo em tragédias, que através do discurso ambiental se fomenta o lucro.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta