Pesquisa Ibope: Jatene é o oitavo pior governador do país

Compartilhe nas redes sociais.

Em recente pesquisa realizada pelo Instituto Ibope sobre as avaliações dos governadores de todos os estados brasileiros, apresentou no geral, baixa avaliação de todos. A pesquisa foi realizada apenas nas capitais de cada ente federativo. No caso do Pará, o governador Simão Jatene (PSDB) aparece em situação crítica, em oitavo pior entre os 26 gestores estaduais. Já a caminho de emplacar 20 anos no poder, os governos do PSDB no Pará começam a dar sinais de esgotamento junto ao eleitorado.

A pesquisa no caso do mandatário estadual paraense causa espanto justamente por ser restrita, realizada na capital paraense, reduto tucano e local que salvou a reeleição de Jatene em 2014. Passados dois anos do atual mandato, a situação do governador entre o eleitorado belenense só piora. Em Belém, tem 38%, na avaliação negativa do eleitorado, entre ruim e péssimo, enquanto na avaliação positiva, entre ótima e boa, aparece com apenas 17%. O resultado é péssimo para o prefeito de Belém, Zenaldo Coutinho, que também enfrenta uma rejeição de 49%, e de 73% de desaprovação de governo, segundo revelou pesquisa do Ibope, no final de agosto passado, encomendada pela TV Liberal.

Não precisa ser especialista para saber que o que sustenta esse alto índice de rejeição do governador tucano paraense são as várias deficiências de sua gestão, entre as principais estão: segurança pública, saúde e educação. Depois de 20 anos de gestão tucanas no Pará que será completada em 2018, o marketing e a propaganda já não bastam para camuflar um Pará que só existe nas peças publicitárias, bem diferente da realidade.

160909b-bgovernadores

A campeã de rejeição é a governadora de Roraima, Suely Campos. Os outros seis governadores mais rejeitados, na frente de Jatene, pela ordem, são os seguintes: Waldez Góes, do Amapá; Marcelo Miranda, do Tocantins; José Ivo Sartori, do Rio Grande do Sul; José Melo de Oliveira, do Amazonas; Beto Richa, do Paraná, e Francisco Dorneles, do Rio de Janeiro.

Os melhores

De acordo com o Ibope, o governador melhor avaliado pela população de todos os estados é Ricardo Coutinho (PSB), da Paraíba. Ele é seguido por Reinando Azambuja, do Mato Grosso do Sul; Pedro Taques, do Mato Grosso; e Rui Costa, da Bahia.

Ruim na capital

As eleições neste ano são para prefeito, mas são os governadores que estão mais mal avaliados, diz o Ibope. Em 16 dos 26 estados, os governadores ouvidos pelo Ibope tiveram avaliação negativa nas capitais de seus estados. Na média, os governadores têm 34% de ruim/péssimo e 24% de ótimo/bom, o que resulta em um saldo negativo de 10 pontos.

1 Comentário

  1. Não consigo imaginar o nível de inteligência da população brasileira em insistir na permanência de ocupar o cargo de “povo preguiçoso e oportuno”. Estou referindo-me prática de escolher representantes para ocupar cargos na esfera Executiva e Legislativa, como era a forma praticada no “Período do Coronelismo” , onde está escolha era feita através do ” voto Cabresto” que tinha como causa, o temor a vida, a dependência socio-politico-econômica, onde imperava o analfabestimos educacional, político.
    Observa-se que, hoje já desprovidos de certas características, as qual foram transformadas por conta do desenvolvimento natural do Homem em seu Habitat e/ou no mundo, não desprendeu-se desta forma de eleição que ao meu ver está inerente , intrínseca no eleitor brasileiro , pois este voto de hoje é as “claras” e caracteriza a generosa dependência do que “Eu ganho se votar ?” Mais hum pra roubar? “Todos roubam”,e muitos outros.
    Por isso ,professorHprofessor Henrique Branco, eu lhe digo:O Brasil ainda falta ser descoberto, por que conquistado, já foi ,e lhe digo mais, conquistado pela prática de uma democracia desbaseada nos princípios ideológicos, dela é estruturada,haja visto que, está foi implantada somente na Constituição de 1988, laudando minha fala,ainda digo,como foi a “Constituicao Brasileira o foi.
    Ass.RRG
    Cientista política especialista em educação e Informatica como ferramenta educacional

Deixe uma resposta