Todos pelo social. A lição do Chile

Compartilhe nas redes sociais.

Recentemente abordado por este Blog, as estratégias políticas que estavam sendo montadas pelo presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM), com ampla pauta legislativa em relação à área social, e que agora fez sentido e segue uma lógica. Maia quer se colocar ao centro, apresentando-se como um moderado, mediador, uma opção ao eleitor frente a polarização que se formou entre Lula e Bolsonaro.

A estratégia do deputado do DEM é ter uma agenda social, como já tratado recentemente aqui. O governo percebeu tal ação, e agora – conforme anunciado pelo Estadão – já trabalha para lançar um amplo programa social. Em ambos os casos, governo e Maia, se houver ações na citada área, avançarão sobre o tecido eleitoral importante do PT e de Lula.

As manifestações populares nos países vizinhos, demonstram que, por mais que um governo seja de centro-direita ou até de extrema-direita, há de se investir ou ter ações para o social, afim de evitar um levante, como vem ocorrendo. Bolsonaro parece ter entendido o recado, e cobra de sua equipe ações na área.

Os adversários sabem que, ao investirem em programas sociais, adentram em uma zona que o PT se coloca como dono, que detém o controle e de lá tira os seus dividendos político-eleitoral. O governo Bolsonaro aos mais necessitados, parece fazer um jogo de dá e tira, neste caso, muito mais tirando do que concedendo, e assim vai controlando a insatisfação e pressão, regulando-as.

A lógica política vai se colocando à mesa, e ela tem como base de atuação “todos pelo social à sua maneira”. Até um governo de posição neoliberal precisa ter agenda social, mesmo que, por direcionamento ideológico, esta seja mínima, mas precisa ter. O caso do Chile é o mais emblemático. Antes um exemplo no continente em relação às políticas de austeridade, do Estado mínimo; hoje, um país tomado por manifestações. O receituário neoliberal no caso chileno será revisto, com mudanças até na constituição. Ao Brasil o recado foi dado, e os governantes, sobretudo os que irão disputar a próxima corrida presidencial, entenderam. Todos pelo social. Tem método.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta