Quem manda é o PMDB!

0
0
Desde quando o PT chegou ao Palácio do Planalto em 2003 que o
referido partido não fica tão dependente do PMDB; isso está claro e chega a
incomodar. Nos governos do ex-presidente Lula (2003 – 2010), os peemedebistas sempre foram o maior aliado, o destaque
na base governista, sempre tiveram a “fome” por cargos, sempre houveram “crises”
na relação, mas nunca determinaram tanto e exigiram fortemente como atualmente.
Sem dúvidas a articulação política dos governos da “Era Lula”
foram bem melhores do que os de Dilma, especialmente o atual. A comunicação,
área crítica para o PT, na gestão Rousseff conseguiu piorar. Para completar as
articulações políticas que mantinham o PMDB controlado, garantiam a
governabilidade e mais paz ao Palácio do Planalto, deixaram de existir.
Não é de hoje que o PMDB abdicou do protagonismo de exercer
o Executivo central. Prefere apoiar o partido ou governo que possui melhor
chance de vencer a disputa eleitoral. O foco é controlar outro poder: o
Legislativo. E assim, de uns anos para cá, mantém o Congresso Nacional sob o
seu controle, presidindo a Câmara e Senado.
Desde os governos Lula, o Senado é do PMDB; mas o PT
disputava e chegou a presidir a Câmara. Na “Era Dilma” o partido perdeu força política,
representação parlamentar, o que ocasionou o aumento de poder do PMDB. Outro
ponto de análise seria a força eleitoral de Lula, que conseguia se utilizar de
sua imagem para blindar o governo e forçar o legislativo a atendê-lo. Tirando a
oposição, quem da base governista peitaria Lula?

Hoje, no segundo mandato da presidenta Dilma, quem manda é –
sem dúvida – o PMDB. O governo (como escrevi aqui em outro post) está refém dos
peemedebistas e da governabilidade que o PMDB diz manter e cobra caro por isso.
A reforma ministerial foi só o primeiro aviso. A eleição da Câmara foi o
segundo. Derrotas do Palácio do Planalto no Congresso será o terceiro. 
Governo
sem articulação política é presa fácil ao fisiologismo da política brasileira e
a governabilidade imposta por seu maior “aliado” da base. Quem manda é o PMDB.

Deixe uma resposta