Sabino quer candidatura tucana

0
371

Tudo parecia se encaminhar para uma resolução. O ex-governador Simão Jatene avisou que não será candidato a prefeito de Belém. Com isso, sem manifestação dentro do ninho tucano, o prefeito Zenaldo Coutinho estava decidido a apoiar um nome de fora do partido. O presidente da Câmara de Vereadores da capital, Mauro Freitas sonhou com a indicação, mas preferiu não se arriscar e irá disputar a reeleição. O deputado estadual Thiago Araújo estava na disputa, mas enfrenta resistência de seu partido. Por fim, o deputado federal Cássio Andrade assumiu o posto de favorito e parecia que Coutinho já estava decido por ele.

Porém, o deputado federal Celso Sabino resolveu se inscrever junto ao diretório municipal do PSDB, como pré-candidato ao Palácio Antônio Lemos, tendo como base uma resolução (05/2020) que estabelece que o partido tenha candidatura própria em centros urbanos acima de 100 mil eleitores. A possibilidade de Sabino concorrer não é algo novo. O Blog já tratou da questão algumas vezes. O artigo mais recente sobre o tema foi intitulado “O Fator Sabino”. (Leia Aqui).

Não há dúvida que Sabino é um excelente quadro dentro do PSDB. Mostra-se além do elevado conhecimento técnico, sobretudo, na área tributária (haja vista que ele é servidor concursado da Secretária de Fazenda), e mostra-se um habilidoso político. Vem sendo reconhecido por seu trabalho em Brasília. Desde o ano passado, era o “candidato” tucano. Ai apareceu a possibilidade de ser Jatene ou alguém de fora do ninho tucano. A verdade é que Zenaldo nunca simpatizou com o nome de Celso. O prefeito de Belém quer (está mais do que claro) indicar um nome de fora de seu partido. Tudo gira em torno de 2022.

Se Celso Sabino ou Simão Jatene (que já desistiu) fossem candidatos do PSDB a Prefeitura de Belém, a pretensão de Coutinho ao governo do Pará, ficaria complicada. Restando-lhe voltar ao parlamento federal, em 2022. Se o escolhido for Cássio Andrade, o acordo é que ele fique no cargo e apoia um tucano ao Executivo estadual.

A narrativa de Sabino para tal ação em favor de seu nome é que o PSDB precisa se fortalecer. Não tem cabimento o segundo maior partido do Pará em número de prefeituras (32), não ter candidatura própria na capital. A disputa que parecia caminhar para uma resolução final, voltar a ficar indefinida. A ver.

Compartilhar
AnteriorMortes administradas II
PróximoCom menos Base

Deixe uma resposta