Setor mineral fatura R$ 53,9 bilhões no 3º trimestre

COMPARTILHE:

No 3º trimestre de 2023, a atividade minerária faturou R$ 53,9 bilhões – queda de quase 29% em relação ao mesmo período de 2022. Na ocasião, foram arrecadados R$ 75,8 bilhões. Na comparação com o 2º trimestre deste ano, a queda foi de 17,5%, uma vez que de abril a junho as empresas geraram receita estimada em R$ 65,3 bilhões.

O faturamento do trimestre, divulgado pelo Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram) nesta quarta-feira, 18, foi estimado, já que o site de divulgação de dados e valores operacionais da Agência Nacional de Mineração (ANM) encontra-se fora do ar, já há algum tempo.

As exportações de minérios também caíram 4,5%, em dólar, em relação ao mesmo período de 2022, mas cresceu 3,5%, se comparado ao 2º trimestre de 2023. Já em toneladas, houve um aumento de 3,3% e 10,2%, respectivamente, nos dois quesitos. O principal produto exportado – o minério de ferro – expandiu 5,5%, em dólar, e 11,4% em toneladas, em relação ao 2º trimestre. Na comparação com o 3º trimestre de 2022, ele apresentou queda de 2,4%, em dólar, e aumento de 3,4%, em toneladas.

A criação de empregos segue em alta no setor mineral. Em agosto deste ano, a indústria minerária somava 208,8 mil trabalhadores empregados diretamente. Há 2 anos eram 198 mil e em agosto de 2022 eram 203,4 mil trabalhadores. Para o instituto, os resultados do 3º trimestre refletem variações na produção em toneladas e oscilações nos preços internacionais dos minérios. Além da expressiva queda no faturamento, os custos para as mineradoras seguem em ascensão, lembra o diretor-presidente do Ibram, Raul Jungmann, que apresentou os dados em entrevista à imprensa.

De acordo com o executivo, são custos relacionados à criação de taxas por Estados e Municípios, cobradas junto às mineradoras, em valores significativos, sob o pretexto de fomentar ações de fiscalização. “Os valores são arbitrados sem que haja qualquer análise sobre a capacidade de absorção das taxas pelas mineradoras”.

“Esta é uma questão muito grave porque fere a competitividade das mineradoras brasileiras em relação às concorrentes internacionais, inibe novos investimentos, gera insegurança e imprevisibilidade na gestão das empresas”, destaca Jungmann.

O levantamento do Ibram aponta, ainda, que o recolhimento de tributos e encargos pelo setor encolheu 30% no 3º trimestre, assim como o faturamento, caindo de R$ 26 bilhões, no mesmo período para ano passado, para R$ 18,3 bilhões. A CFEM caiu 23%, de R$ 1,96 bilhão para R$ 1,51 bilhão, em relação ao mesmo período do ano passado. No trimestre anterior, a CFEM foi de R$ 1,92 bilhão.

Minerais críticos para a transição energética

Segundo o dirigente do Ibram, a mineração vivencia a perspectiva de ampliar a oferta de minerais considerados críticos para a transição energética. Insumos para o desenvolvimento de novas tecnologias e equipamentos voltados a ampliar as fontes de energia renovável, de modo a se promover a descarbonização da economia. O próprio governo federal, lembra Jungmann, situa a mineração como setor estratégico para a transição a uma economia de baixo carbono, “mas, se o Brasil não retirar todas essas amarras que impedem o desenvolvimento do setor mineral, e, inclusive, estimular a pesquisa geológica em maior escala, a mineração brasileira perderá a oportunidade de liderar a oferta desses minerais globalmente”, afirma.

Projeto de descarbonização do setor mineral

Além de fornecer os insumos minerais para promover a transição energética aos demais setores, o Ibram vai lançar seu programa setorial relacionado às emissões. No próximo dia 26, o instituto vai apresentar em sua sede, em Brasília, um projeto voltado a identificar as oportunidades de redução de gases de efeito estufa nos processos industriais, além de construir um plano de ação colaborativo para a transição energética do setor.

Com informações de Revista de Mineração. 

Imagem: reprodução Internet. 

O blog no Twitter!