Técnica de Enfermagem é a primeira a ser vacinada contra a Covid-19 no Pará

0
911

A técnica de Enfermagem, Shirley Maia, de 39 anos, foi a primeira paraense a receber a vacina contra a Covid-19 no Estado. Para ela, que trabalha há oito meses no Hospital de Campanha do Hangar, é um alívio ser vacinada. “Eu escolhi ser técnica de Enfermagem porque queria ajudar as pessoas e me sinto privilegiada e aliviada em ter sido vacinada hoje”, afirmou.

Mais dois profissionais de saúde que atuam na linha de frente também foram vacinados: a técnica de Enfermagem Marielza Monteiro, de 57 anos, que também atua no Hospital de Campanha do Hangar, e o enfermeiro João Bernardo, de 37 anos, que é servidor de Ananindeua.

As primeiras vacinações foram realizadas às 7h desta terça-feira (19), no Hangar – Centro de Convenções, onde está instalado o Hospital de Campanha de Belém, durante a coletiva de imprensa com o governador Helder Barbalho, gestores da Secretaria de Estado de Saúde Pública do Pará (Sespa), secretário de Segurança Pública e Defesa Social (Segup), Ualame Machado, e os prefeitos de Belém, Edmilson Rodrigues, e de Ananindeua, Daniel Santos.

As 173.240 mil doses da vacinas chegaram em Belém às 23h de segunda-feira (18). Desse total, 48.680 serão destinadas à população indígena, e o restante será direcionado para profissionais em saúde que atuam na linha de frente no combate a Covid-19 e idosos, que vivem em instituições de longa permanência. O Governo do Pará já está executando a logística para que as vacinas cheguem hoje ainda em todos os 144 municípios.

“Preciso registrar que os esforços estão sendo feitos para, ainda nesta terça-feira, ter todas as regiões com vacina, todos os municípios já estão informados para se articular. O governo do Estado vai colaborar nas localidades com maior dificuldade logística, como é o caso dos municípios do Marajó e da Calha Norte, para fazer a vacina chegar nas localidades”, garante o governador Helder Barbalho.

A distribuição das doses para os municípios começou na madrugada desta terça-feira (19), às 3h, como explica o secretário de Saúde, Romulo Rodovalho. “Já começamos a distribuição das vacinas, algumas já chegaram aos municípios. Contamos com o apoio da Segup para escolta e transporte. Temos a esperança de chegar ao final do ano com 70% da população vacinada e vamos trabalhar, pois esse ciclo se renova a cada mês e já tem um plano de distribuição para que quanto mais vacinas forem disponibilizadas, a gente possa fazer ela chegar para a população”, disse o secretário de Saúde.

Ariel Barros, secretário adjunto de Gestão Administrativa da Sespa, acrescenta que a secretaria distribuiu para as regionais insumos para aplicação das vacinas. “Entregamos para as 13 regionais seringas e agulhas, 36 veículos estão sendo usados na operação de distribuição das doses e 150 servidores da Sespa estão destacados para fazer o acompanhamento e entrega nos municípios das 13 regionais e cidades do arquipélago do Marajó e da Calha Norte”.

Suporte

A Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social está dando suporte para a logística de distribuição, escolta e fiscalização da campanha de vacinação. Segundo o secretário de Segurança Pública e Defesa Social, Ualame Machado, são 1.200 agentes envolvidos na operação, dentre eles, homens e mulheres das Polícias Militar e Civil, além de aeronaves. “Esse dia foi muito esperado, a segurança está presente ajudando na logística de armazenamento, escolta e segurança. Temos o dever de levar a vacina aos 144 municípios”.

Informação

O secretário adjunto de Saúde, Sipriano Ferraz, aproveitou a oportunidade para alertar a população para ter calma e não sair à procura da vacina neste momento.

“Não é uma corrida pela vacina, temos indicação dos profissionais que vão ser vacinados agora. A vacina vai ser nominal e os prefeitos vão prestar contas de quem foi vacinado. Os vacinados serão cadastrados pelo CPF ou cartão do SUS. Os municípios vão fazer o controle e, quando possível, vacinar dentro das unidades de saúde, para evitar aglomeração”, diz Sipriano.

Fases da vacinação:

1ª Fase: Trabalhadores de saúde; pessoas com mais de 60 anos que vivem em instituições de longa permanência e indígenas aldeados.

2ª Fase: Profissionais da segurança pública na ativa; idosos a partir de 60 anos de idade; e povos e comunidades tradicionais quilombolas.

3ª Fase: Indivíduos que possuam comorbidades (doenças como diabetes, hipertensão e obesidade);

4ª Fase: Trabalhadores da educação; Forças Armadas; funcionários do sistema penitenciário; população privada de liberdade e pessoas com deficiência permanente severa.

*Texto: Melina Marcelino (Assessoria de Comunicação da Sespa).

Deixe uma resposta