Morre ex-primeiro-ministro italiano Silvio Berlusconi

COMPARTILHE:

Silvio Berlusconi, o extravagante bilionário e ex-primeiro-ministro italiano que já se descreveu como o “Jesus Cristo da política”, morreu em um hospital de Milão aos 86 anos, confirmou sua assessoria de imprensa nesta segunda-feira (12). Berlusconi, que tinha um histórico recente de problemas de saúde, havia sido diagnosticado recentemente com leucemia, informou o Hospital San Raffaele de Milão.

Ele havia sido internado no hospital anteriormente com problemas respiratórios e compareceu a um check-up na sexta-feira (9). O político, que por muito tempo foi considerado a figura pública mais marcante da Itália, foi eleito primeiro-ministro três vezes e serviu por um total de nove anos, mais do que qualquer outro desde o ditador fascista Benito Mussolini. Carinhosamente apelidado de “Il Cavaliere” (O Cavaleiro), sua carreira foi marcada por uma série de escândalos políticos, financeiros e pessoais, muitos dos quais o levaram à Justiça.

Ele foi julgado por acusações que vão desde evasão fiscal e suborno até corrupção e sexo com uma prostituta menor de idade. Mas apenas em um caso ficou preso – uma condenação em 2012 por sonegação de impostos em um acordo envolvendo direitos televisivos. Berlusconi foi eliminado do parlamento em 2013. Mas nunca desistiu da política, ele ressurgiu no início de 2018 como uma espécie de estadista avô, o criador de uma aliança de direita envolvendo seu partido Forza Italia.

Depois que o Tribunal de Milão lhe concedeu “reabilitação” no final daquele ano, suspendendo efetivamente a proibição de reingressar na política que vigorava após sua condenação por fraude fiscal em 2012, ele anunciou que concorreria a uma vaga no Parlamento Europeu. Foi eleito em maio de 2019, com 83 anos, e permanecia no cargo de Deputado ao Parlamento Europeu à data da sua morte.

Berlusconi também liderou seu partido Forza Italia, que ele reviveu em 2013 depois de deixar o partido Povo da Liberdade, à vitória com a coalizão de centro-direita com Giorgia Meloni e Matteo Salvini em setembro de 2022, embora não tivesse uma pasta no governo. Berlusconi ainda foi o principal acionista do Milan, um dos clubes de futebol mais tradicionais da Itália e da Europa, entre 1986 e 2017, quando vendeu a operação para um grupo de investimento chinês.

Trajetória 

Nascido em Milão em 1936, Berlusconi foi o primeiro a fazer seu nome como magnata dos negócios, chegando a se tornar o homem mais rico da Itália. Ele notou cedo seu lado showman trabalhando como cantor de salão a bordo de um navio de cruzeiro para ajudar a frequentar a universidade, onde estudou direito.

Vários empreendimentos comerciais de menos rentáveis se seguiram antes que o jovem empresário desfrutasse de seu primeiro sucesso real no desenvolvimento imobiliário no final dos anos 1960, quando se envolveu em um projeto para construir o Milano Two – quase 4.000 apartamentos – fora de Milão. Depois de acumular uma fortuna com seu portfólio de propriedades na década de 1970, ele diversificou seus interesses abrindo uma empresa de TV a cabo, a Telemilano, e comprando dois outros canais a cabo em um esforço para quebrar o monopólio nacional da TV na Itália. Em 1978, esses canais foram incorporados ao recém-formado grupo Fininvest, que incluía lojas de departamentos, seguradoras e até o Milan – um dos maiores clubes de futebol do mundo, do qual foi proprietário por 31 anos.

Berlusconi voltou sua atenção para a política em 1993, quando formou o partido de centro-direita Forza Italia, batizado em homenagem a “Forza, Italia!” (Vá, Itália!), um cântico ouvido nos jogos da seleção italiana de futebol. No ano seguinte, em uma eleição antecipada, ele se tornou primeiro-ministro. No entanto, uma disputa com seus parceiros de coalizão de direita do Partido da Liga do Norte, bem como uma acusação por suposta fraude fiscal, encerrou o mandato de Berlusconi no cargo após apenas sete meses. Ele foi absolvido em apelação em 2000, depois que o estatuto de limitações expirou.

Após a derrota nas eleições de 1996 para seu inimigo político, Romano Prodi, ele se envolveu em outros escândalos financeiros, incluindo a acusação de subornar inspetores fiscais. Ele negou qualquer irregularidade e foi inocentado novamente em recurso em 2000. Sua sorte mudou novamente em 2001, quando ele foi empossado como primeiro-ministro pela segunda vez. Mas Prodi – um ex-presidente da Comissão Europeia – encerrou o reinado mais bem-sucedido de Berlusconi com sua vitória da coalizão de centro-esquerda da União em 2006. Naquela época, o magnata presidia o governo italiano mais antigo do pós-guerra.

Apesar de ter implantado um marca-passo para regular seus batimentos cardíacos depois de desmaiar durante um comício político, ele se recusou a desacelerar. Ostentando um transplante de cabelo, cirurgia estética e um bronzeado, Berlusconi voltou ao poder pela terceira vez em 2008 sob a bandeira do recém-criado partido Povo da Liberdade, que ele deixou em 2013 quando criou seu partido Forza Italia.

Com informações CNN Brasil (adaptado pelo Blog do Branco).

Imagem: reprodução Internet. 

O blog no Twitter!