PIB dos EUA cresce 3,3% no 4º trimestre e supera expectativas do mercado

COMPARTILHE:

A economia dos EUA cresceu mais rápido do que o esperado no quarto trimestre em meio a fortes gastos do consumidor, desafiando as terríveis previsões de uma recessão em 2023, depois que o Federal Reserve aumentou agressivamente as taxas de juros, com o crescimento para o ano inteiro chegando em 2,5%.

O Produto Interno Bruto no último trimestre do ano passado aumentou a uma taxa anualizada de 3,3%, informou o Bureau de Análise Econômica do Departamento de Comércio nesta quinta-feira (25), em estimativa antecipada do PIB do quarto trimestre.

A economia cresceu a um ritmo de 4,9% no terceiro trimestre. Economistas consultados pela Reuters previam que o PIB avançaria a uma taxa de 2,0% no quarto trimestre. As estimativas variavam de uma taxa de 0,8% a um ritmo de 2,8%. A economia dos EUA está avançando a um ritmo superior ao que as autoridades do Federal Reserve consideram ser uma taxa de crescimento não inflacionária, de cerca de 1,8%.

A economia surpreendeu o setor industrial e alguns economistas, que faziam alertas a respeito de uma recessão desde meados de 2022. Parte da robustez da economia dos EUA reflete a resiliência do mercado de trabalho, marcada por poucas demissões e fortes ganhos salariais, que sustentam os gastos dos consumidores.

Em relatório separado divulgado nesta quinta-feira, o Departamento do Trabalho informou que os pedidos iniciais de auxílio-desemprego aumentaram em 25 mil, para um ajuste sazonal de 214 mil na semana encerrada em 20 de janeiro. Os economistas previam 200 mil pedidos na última semana. O aumento da despesa pública e as taxas de juros próximas de zero durante a pandemia de Covid-19, que permitiram a algumas empresas e famílias acessar taxas de juros baixas, também ajudaram a evitar uma recessão nos EUA.

Os economistas basearam em grande parte suas previsões sombrias sobre o PIB no ritmo rápido que o banco central dos EUA adotou para elevar os juros, com o objetivo de atenuar a demanda. A maioria dos economistas, no entanto, desistiu da ideia de recessão e, agora, espera um crescimento lento em 2024.

O Fed, em sua reunião de política monetária da próxima semana, deve manter sua taxa básica de juros no intervalo de 5,25% a 5,50%. Com o relatório do PIB também mostrando que as pressões inflacionárias diminuíram no último trimestre, é esperado que o banco central comece a cortar os juros no primeiro semestre deste ano. Desde março de 2022, o Fed elevou sua taxa de referência em 525 pontos-base.

Com informações de Fobes. 

Imagem: Thomas White – Reuters.

O blog no Twitter!