Apesar da crise, Pará fecha 2020 com saldo positivo na balança comercial brasileira

0
679

Mesmo diante de uma conjuntura econômica desfavorável em 2020, o Pará conseguiu manter presença positiva no mercado internacional. De acordo com dados do Ministério da Economia, analisados e divulgados pelo Centro Internacional de Negócios da Federação das Indústrias do Estado do Pará (CIN/FIEPA), o Pará exportou um total de US$ 20.536 bilhões, fechando o ano com um saldo positivo de mais US$ 19.336 bilhões, mantendo, assim como em 2019, o primeiro lugar no ranking nacional em saldo, à frente de outros Estados como Minas Gerais, Mato Grosso e Rio Grande do Sul. Em valor exportado, com uma variação positiva de 15,11%, subiu uma posição no ranking, ficando como o quarto maior exportador do País.

Como em anos anteriores, a mineração foi a principal responsável pelo bom desempenho da balança comercial em 2020, com um total acima de US$ 18.562 bilhões em produtos exportados, com destaque para o minério de ferro bruto, que teve um crescimento de 20,02% no período, chegando a exportar mais de US$ 13 bilhões, principalmente para o mercado chinês. Outros setores que mantiveram sua hegemonia foram o agronegócio, representado pela soja; e a pecuária, com destaque para as exportações de carne e outros bovinos vivos.

Para o presidente do Sistema FIEPA, José Conrado Santos, esses setores são importantes para a geração de empregos e renda, mas o Pará precisa de investimentos na média indústria, que vem enfrentando várias dificuldades, entre as quais a de acesso ao crédito. “Não há dúvidas de que a grande indústria ajuda o Pará a resguardar a economia nesse momento de crise, contribuindo para manter a balança comercial positiva e para preservar a arrecadação estadual.  Entretanto, temos que ver também a situação das médias indústrias que já vinham de uma crise anterior, provocada pela competição com produtos de fora e pelas questões logísticas, e que precisam de ações efetivas do Governo Federal para que consigam se desenvolver, e isso passa pelas reformas, especialmente a tributária”, avalia Conrado.

Segundo José Conrado Santos, o Pará possui muitas oportunidades de novos investimentos mapeadas que não se consolidam por questões relacionadas à insegurança jurídica que o sistema tributário brasileiro causa. “Acreditamos que mudanças significativas na legislação poderiam atrair esses novos investimentos e ainda alavancar médias indústrias, as quais, como falamos, foram as que mais sentiram os impactos da crise provocada pela pandemia”.

Outros produtos – Entre os produtos considerados não tradicionais, a soja foi o que mais exportou no Estado em 2020, com um volume total de US$ 759.451 milhões, registrando um aumento de 43,40% em comparação com 2019. Ainda no grupo dos não tradicionais, de acordo com os dados ME, as carnes bovinas tiveram um crescimento de quase de 58%, chegando a exportar um total de US$ 436.108 milhões, tendo a China como principal destino. Segundo o presidente do Sindicato da Carne e Derivados do Estado do Pará (Sindicarne), Daniel Freire, é importante ressaltar que somente em 2019, o Pará passou a ter acesso ao mercado chinês. “Até novembro de 2020, a China comprou mais de 51 toneladas de carne do Pará. Em compensação, houve uma redução nos embarques para outros mercados que reduziram suas importações de carne do Pará, a exemplo de Hong Kong (-16,64%), Egito (-51,52%) e Emirados Árabes Unidos (-45,45%)”, explica Freire.

Segundo o Sindicarne, em 2020 o Pará produziu de 900 e 1 milhão de toneladas/ano de carne bovina e bubalina, e exportou apenas cerca de 10% desse total. “Apesar do aumento em relação a 2019, a exportação é ainda uma pequena parte de toda a carne produzida no estado e em 2020, notou-se uma redução do consumo no mercado interno, sendo que o aumento na exportação, de certa forma, compensou essa queda e ajudou a manter o nível de emprego da indústria de carnes do Pará, e mesmo diante da pandemia, o setor empregou 15 mil trabalhadores diretos. A desvalorização do Real frente ao Dólar contribuiu para esse acréscimo de exportação”.

Diferentemente de 2019, quando teve um crescimento de 5,17%, em 2020, a exportação de madeira sofreu uma retração, terminando o ano com um saldo negativo de 7,28% e um total exportado de US$ 211.607 milhões. Por outro lado, o peixe marcou o ano com um aumento de 3,82%, sendo o melhor resultado entre os produtos considerados tradicionais na balança comercial, com um volume de US$ 68.441 milhões, exportados principalmente para os Estados Unidos, assim como a madeira.

Cassandra Lobato, coordenadora do CIN/FIEPA, explica que nos últimos 10 anos, o Pará conseguiu manter um crescimento equilibrado das suas exportações. “Ao analisar os números da balança comercial desde 2010, podemos ver que houve uma consistência nos resultados e isso se manteve mesmo em meio à essa crise econômica e sanitária pela qual estamos passando, o que demonstra que mesmo em situações adversas, o Pará conseguiu cumprir seus compromissos com compradores internacionais. A expectativa agora é conseguir apoio suficiente para desenvolver outros setores da nossa indústria e consolidar ainda mais a importância do Pará no cenário econômico nacional”.

Mercados – Em 2020, a Ásia se manteve como o bloco econômico que mais comprou do estado do Pará. Quase 74% de tudo o que se exporta no Estado, tem como destino o continente Asiático, mais especificamente a China. Os principais produtos adquiridos em 2020 foram o minério de ferro e seus concentrados, soja e carne bovina. Ao todo, em 2020, a Ásia (excluindo o Oriente Médio) importou cerca de US$ 15.173 bilhões do Pará.

Assim como em 2019, a cidade de Parauapebas se manteve como a cidade que mais exportou no Estado, com um volume de quase US$ 8 bilhões, se mantendo também no primeiro lugar em saldo no ranking estadual. No ranking nacional, Parauapebas ficou em terceiro lugar em volume de exportações, ficando atrás do Rio de Janeiro e Duque de Caxias, ambas no Estado do Rio de Janeiro.

Com informações da Fiepa

Deixe uma resposta