Faturamento das mineradoras cresceu na pandemia

0
1032

Pesquisa divulgada pela Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa Mineral (ABPM) aponta que, apesar da pandemia de Covid-19, a maioria das mineradoras viu seu faturamento crescer graças ao boom nos preços das commodities e ao câmbio favorável. De acordo com o estudo, 95% delas devem aumentar ou pelo menos manter investimentos em exploração mineral em 2021, é o que reforma também o site Notícias de Mineração, que tratou da questão.

No último ano, com o cenário incerto por conta da pandemia, a maior parte das mineradoras resolveu salvar as suas economias e só 35,3% delas investiram em ampliação de capacidade ou novas minas. A pesquisa revelou que quase metade das empresas de mineração (47%) teve de parar suas operações em algum momento nos últimos 12 meses, por conta da pandemia, embora a mineração seja classificada como atividade essencial pelo governo. Segundo o levantamento, 75% das 30 empresas entrevistadas foram afetadas pela crise sanitária.

De acordo com a ABPM, apenas 18% das mineradoras tiveram de demitir. A avaliação é que a volta à normalidade das atividades econômicas só ocorrerá com vacinação em massa. Também defendem que as empresas comprem e apliquem vacinas em seu efetivo e familiares.

A pesquisa não traz dados sobre o percentual de infectados pela Covid-19 nas operações das mineradoras. Na semana passada, a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) aceitou a denúncia de entidades sindicais ligadas à mineração sobre a continuidade da operação das minas no Brasil, mesmo com o avanço das contaminações por covid-19 no País. O Estado brasileiro foi notificado no último dia 21 e terá 90 dias para se manifestar, segundo matéria postada no jornal Estado de São Paulo.

Durante todo o ano de 2020, os preços dos minérios mantiveram em uma crescente, ligado especialmente à manutenção do consumo chinês, que, apesar da pandemia, não decaiu o volume de compra asiática, neste caso, especialmente o minério de ferro. O preço do referido mineral para entrega na China está sendo negociado acima de US$ 110, próximo dos maiores níveis em quase um ano. Vale registrar que, segundo os especialistas, ainda há forte tendência dessa cotação do ferro subir ainda mais.

Nesta semana, o Blog do Branco se debruçou sobre os números do primeiro relatório trimestral do ano corrente que foi divulgado pela mineradora Vale e que apresentou um resultado que nem o mais esperançoso acionista poderia imaginar. A empresa registrou um lucro líquido atribuído aos acionistas de R$ 30,56 bilhões no primeiro trimestre, montante que representa um crescimento de 3.006% na comparação com os R$ 984 milhões relatados pela companhia no mesmo período de 2020. Os ganhos dos três primeiros meses do ano superaram, inclusive, todo o lucro líquido do ano passado, que ficou em 26,71 bilhões de reais.

Em contrapartida a esse cenário de “céu de brigadeiro”, a Vale acionou judicialmente o governo do Pará para não pagar a taxa mineral. A questão está no Supremo Tribunal Federal (STF) que ainda decidirá sobre o caso. O Pará – como já dito pelo Blog do Branco – poderá virar, caso perca a ação, devedor de bilhões de reais. Vale lembrar que a mineradora em questão, em Parauapebas, enfrenta uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) criada pelos vereadores, e deverá ter outra contra ela, desta vez, na Assembleia Legislativa (Alepa). Literalmente o “ferro está esquentando”. A ver.

Deixe uma resposta